Esquerda radical chega ao poder na Grécia

Vitória de Alexis Tsipras, que prega a renegociação da dívida de A 321,7 bi com a troica, relança a instabilidade econômica na Europa

Andrei Netto

25 Janeiro 2015 | 15h40

ATENAS - Após cinco anos de depressão econômica e cortes das despesas sociais, a população da Grécia elegeu no domingo, 25, o líder antiausteridade Alexis Tsipras, da Coalizão de Esquerda Radical (Syriza), como novo primeiro-ministro. O resultado leva ao poder o grupo que prega a renegociação da dívida de € 321,7 bilhões com a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu (BCE) e o Fundo Monetário Internacional (FMI) - relançando a instabilidade econômica na Europa. Para o novo premiê, “a troica é passado”. 
Graças à legislação eleitoral grega, Syriza ficou perto de alcançar a maioria absoluta de 151 deputados do Parlamento, já que poderá contar com bônus de 50 assentos na Câmara atribuído ao primeiro lugar. Ainda que não conquiste sozinho a maioria, Tsipras poderá formar ampla aliança progressista: dos sete partidos que devem superar a cláusula de barreira de 3%, cinco são de centro-esquerda ou esquerda.
Às 23h30 de domingo (horário local), com 69,45% dos votos apurados, Syriza obtinha 36,03%, à frente da Nova Democracia, com 28,15%. O terceiro lugar estava em disputa entre o partido neonazista Aurora Dourada e o To Potami (centro-esquerda), com 6,35% e 5,94% dos votos, respectivamente. O Movimento de Socialistas Democráticos, recém-criado pelo ex-primeiro-ministro George Papandreu, reunia 2,4%, com maior probabilidade de não superar a cláusula de barreira. É provável que o ingresso ou não desse partido no Parlamento defina se Tsipras contará com a maioria absoluta.
Independentemente da maioria absoluta, a hipótese de uma grande aliança de esquerda já era evocada em Atenas desde quarta-feira, quando dirigentes de dois partidos, To Potami e Pasok, defenderam a formação de uma frente de partidos progressistas para governar o país. Essa aliança daria a Tsipras estabilidade para administrar o Parlamento e reforçaria a posição da Syriza, que espera obter um amplo consenso nacional para renegociar os termos do reembolso da dívida com a troica.
No fim da noite, Tsipras fez uma declaração de vitória a milhares de militantes reunidos em Atenas e aos 900 jornalistas de todo o mundo que acompanharam o pleito. O líder de esquerda classificou como “histórica” a decisão do povo grego. “A Grécia deixa para trás a catástrofe e cinco anos de medo e de humilhação”, afirmou. O novo primeiro-ministro foi cauteloso com as críticas à política de austeridade implantada no país por orientação da troica. “Não haverá choque catastrófico (com os credores), nem uma continuidade dessa submissão. O novo governo grego está pronto para cooperar e negociar com parceiros da Grécia uma solução justa e viável”, disse Tsipras. “Estamos bem ciente de que não temos um cheque em branco. Vamos formar um governo que represente todos os gregos.”
Prioridades. Ao Estado, Yanis Varoufakis, um dos autores do programa de governo da Syriza e um dos dois principais nomes cogitados para o Ministério de Finanças, disse que o governo de Tsipras terá três prioridades imediatas: “Enfrentar a crise humanitária, lançar um programa de reformas estruturais para impulsionar o crescimento e, obviamente, renegociar a dívida”. 
Varoufakis, eleito deputado, não respondeu se o novo governo vai propor aos credores um novo corte da dívida ou apenas o seu reescalonamento, com redução drástica dos juros. “Não farei nenhum pronunciamento neste momento”, disse, ressaltando porém que a negociação será profunda. 
A dívida da Grécia, que em 2008 era de 112,9% do PIB, fechou 2014 em 177% do PIB, segundo estimativas parciais. Em dados concretos, significa que cada grego tem uma dívida externa de € 29,7 mil a pagar. 
Para enfrentar o risco de falência, dois programas de socorro foram assinados por governos gregos com a troica no valor total de € 245 bilhões. Em troca, a Grécia teria de reduzir investimentos e fazer cortes de salários, que envolveram funcionários públicos ativos e aposentados, e do salário mínimo, que encolheu 20% de uma só vez.
A política de austeridade levou à depressão de 24% do PIB entre 2008 e 2013, elevando o desemprego de 10,7% em dezembro de 2009 a 25,5% hoje. Diante da crise social, e obrigado a convocar eleições, Antonis Samaras não resistiu à maior bandeira de Tsipras: a renegociação dos termos da dívida, que começa a partir de hoje. 
Mais conteúdo sobre:
Gréciaeleição

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.