Está cada vez mais difícil para o governo cumprir meta

O governo deve sustentar até o final das eleições o discurso de que cumprirá a chamada meta cheia de 3,3% do PIB de superávit primário das contas do setor público em 2010. Faltando poucos dias para o fim de agosto, a redução de R$ 40 bilhões para R$ 30 bilhões da meta até o segundo quadrimestre do superávit das contas do Governo Central - um indicador intermediário adotado pelo governo para sinalizar ao longo do ano o compromisso com o cumprimento do esforço fiscal - reforçou a avaliação generalizada de que a meta integral não será cumprida.

Cenário: Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2010 | 00h00

Se quiser cumprir a meta fiscal do ano, o governo terá de fazer em apenas cinco meses um superávit primário de R$ 50,24 bilhões. São mais de R$ 10 bilhões de esforço fiscal por mês até o fim do ano, num cenário em que o governo vem acelerando as despesas.

Apesar das repetidas declarações do secretário do Tesouro, Arno Augustin, de que o governo vai cumprir a meta sem o uso do mecanismo que permite o abatimento das despesas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), os números divulgados ontem mostram um cenário cada dia mais difícil para as contas públicas.

O cenário tem um complicador a mais, porque as estatais federais não devem cumprir a meta de superávit prevista para essa esfera de governo, de 0,20% do PIB. A área econômica já dá praticamente como certo que as estatais não vão atingir a meta, o que em tese exigiria um esforço adicional do governo central para que a meta cheia de 3,3% do PIB de superávit prevista para o todo o setor público seja cumprida, sem abatimentos.

Nos bastidores do governo, o que se discute agora é se o governo deve tirar da cartola mais uma "mágica" para cumprir o superávit, como fez no ano passado. O "jeitinho sempre existe. É só decidir", garante um integrante do governo. O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, já deu indicações esta semana de que o governo deve recorrer ao abatimento. Poderá ser necessário abater cerca de R$ 14 bilhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.