finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Estacionar em SP está ficando menos caro

Pesquisa da consultoria Colliers mostra que valor médio das mensalidades na capital paulista caiu 0,37% em relação a 2013

ANNA CAROLINA PAPP, O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2014 | 02h06

Depois de uma escalada de preços, o mercado de estacionamentos em São Paulo parece caminhar em direção à estabilização. Puxado pelo recuo de preços em regiões como Itaim e Avenida Paulista, o valor médio da mensalidade para estacionar o carro na capital paulista baixou 0,37% em 2014 em relação ao ano passado.

De acordo com levantamento da consultoria Colliers, em julho de 2013, o preço médio da mensalidade em estacionamentos nos corredores centrais da cidade de São Paulo era de R$ 326,82. Já no mesmo mês deste ano, caiu para R$ 324,56. Em relação aos preços das diárias, o recuo foi ligeiramente maior - de 0,48%-, com média de R$ 34,27 por dia. 

"É uma queda tímida, mas já é um começo", diz Paula Casarini, vice-presidente da Colliers São Paulo. Ela lembra que, se a retração parece pouco expressiva, é a primeira depois de anos de altas desenfreadas. De julho de 2012 a julho de 2013, por exemplo, o aumento médio no preço das mensalidades na capital paulista havia sido de 11,41%. (Clique no mapa abaixo para ampliar)

Segundo a consultoria, o recuo se deve a um esgotamento do patamar de preços praticado nos últimos anos. De um lado, houve uma migração de parte da demanda. "O preço ficou tão caro se comparado ao salário e mesmo ao custo de ocupação que as pessoas toparam ir mais longe para pagar menos", diz Paula. "Muita gente sai da zona leste para os corredores centrais de carro até uma determinada parte e, depois, pega um metrô até o trabalho."

Outro fator determinante foi o aumento da oferta, sobretudo por causa da entrega de muitos prédios comerciais nos últimos meses. "Na Vila Olímpia e no Itaim, por exemplo, muitos terrenos que antes funcionavam como estacionamentos se transformaram em edifícios corporativos. Durante as obras, há uma carência de vagas, o que pressiona os preços; mas, na entrega, você volta a colocar oferta no mercado", explica Paula.

Recorte. A vaga mais cara entre as regiões monitoradas continua sendo na Faria Lima, com mensalidade média de R$ 482 - alta de 2,67% em relação ao ano passado. Jardins e Brooklin cresceram em ritmo similar - 3% e 3,32%, respectivamente. A queda maior foi observada na região do Itaim, que, segundo levantamento do Sindicato das Empresas de Garagens e Estacionamentos do Estado de São Paulo, tem a maior concentração de estacionamentos em São Paulo - em 2013, eram mais de 530. Neste ano, a mensalidade média recuou de R$ 455 para R$ 417. Em 2013, a alta ante 2012 havia sido de mais de 24%. 

A segunda queda mais expressiva foi na região da Paulista: os preços recuaram 7,70%, levando a uma média de R$ 295 mensais. "Antes, era um glamour ficar na Paulista, mas a parte financeira veio migrando para a região da Faria Lima", diz Paula. Para ela, o elevado patamar de preços na região, que segue crescendo, deve começar a se estabilizar no ano que vem. "Isso deve começar a acontecer quando os valores de locação dos escritórios se acomodarem." 

Já a Vila Olímpia, que neste ano teve queda de 1,11% nos preços, com média mensal de R$ 374, estava no topo do ranking da Colliers em 2013, com alta de quase 30% em relação a 2012.

Quanto ao preço das diárias, São Paulo recuou 0,48% neste ano, com média de R$ 34,76. Já no Rio de Janeiro, os preços subiram 10,1% - de R$ 45,50 para R$ 50, sobretudo por causa da carência de vagas. As maiores altas foram registrados no Flamengo (10,1%) e na Barra da Tijuca (6,8%).

Tudo o que sabemos sobre:
estacionamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.