coluna

Louise Barsi: O Jeito Waze de investir - está na hora de recalcular a sua rota

Estadão premia melhores do mercado imobiliário

O ano de 2001, para a área de construção civil, significou um período de adaptações a uma nova realidade mundial. Fatores como a disparada do dólar ? acentuada após os atentados de 11 de setembro ? a crise argentina e o racionamento de energia fizeram dos imóveis uma opção segura de investimento. Apesar das turbulências econômicas, a construção civil manteve o nível de faturamento: cerca de U$ 2,5 bilhões. De acordo com o relatório anual divulgado pela Empresa Brasileira de Estudos do Patrimônio ( Embraesp), os condomínios horizontais fechados registraram um aumento da oferta de unidades de 57% em relação ao ano de 2000. Foram 110 empreendimentos desse tipo lançados na região metropolitana de São Paulo (RMSP), em 2001, contra 70 lançados no ano anterior. As vendas de imóveis com 4 ou mais dormitórios atingiram 1.850 unidades, contra 1.234 em 2000, o que representa um crescimento de 50% desse segmento em São Paulo, conforme informações do SecoviSP. O valor do metro quadrado dos empreendimentos residenciais atingiu a maior alta dos últimos sete anos. Para as unidades de alto padrão, o preço do metro quadrado de área total ficou em R$ 1.497. O valor do metro quadrado das unidades de 3 dormitórios atingiu R$ 862 e nas unidades de 1 dormitório, R$ 1.355.O segmento dos empreendimentos comerciais da RMSP manteve o mesmo número de lançamentos do ano anterior. Entretanto, a quantidade de conjuntos lançados é bastante superior em 2001, totalizando 1.725 unidades contra 1.269 em 2000, um acréscimo de 36%, segundo a Embraesp.Para destacar e homenagear as principais empresas do mercado imobiliário do ano 2001, o jornal O Estado de S. Paulo entregará, no dia 16 de maio, o prêmio Top Imobiliário. Essa premiação ? a mais importante do setor, que este ano chega a sua nona edição ? identifica os melhores desempenhos das construtoras, incorporadoras e vendedoras que atuam na região da Grande São Paulo.O Top Imobiliário concedido pelo Estadão reconhece os destaques do principal mercado imobiliário da América Latina. Somente em 2001, na região da Grande São Paulo, o setor produziu mais de 34 mil unidades, entre casas e apartamentos. Segundo o diretor de Publicidade do Estadão, Marcos Nogueira de Sá, ?o Top Imobiliário prestigia um setor que tem demonstrado a ousadia e perseverança dos empresários que o representam, porque trata-se de um segmento bastante sujeito às variações da política econômica?.Serão premiados com o Troféu Top Imobiliário os 10 primeiros colocados de cada categoria ? Vendedora, Construtora e Incorporadora. Ainda serão premiados com o troféu Performance Top Imobiliário as empresas que obtiveram a primeira colocação em todos os cinco quesitos de sua categoria (número de lançamentos, número de blocos, número de unidades, área total e produto total lançado). A base utilizada para essa premiação é um ranking elaborado pela Embraesp ? detentora do maior banco de dados do setor imobiliário no País ?, que relaciona todos os empreendimentos residenciais e comerciais, sendo eles novos, em construção ou em planta. A série histórica do desempenho imobiliário remonta os anos 70 e permite, além de classificar os melhores do mercado, identificar tendências na área da construção civil em toda a Região Metropolitana de São Paulo. Neste ano, os dados referem-se a 2001. Na classificação são levados em conta o número de lançamentos, unidades, blocos, a área total (em metros quadrados) e o produto total (em dólar comercial). Desde 1999, estão sendo considerados critérios de classificação, para evitar empates entre duas ou mais empresas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.