Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Daniel Beltrá/Greepeace
Daniel Beltrá/Greepeace

‘Estadão’ promove evento Summit ESG

Realização do Summit reforça o entendimento de que a reputação e a sobrevivência a longo prazo das empresas dependem da definição de indicadores transparentes; pilares da atuação ESG serão debatidos entre amanhã e sexta-feira

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2021 | 05h00

As mudanças pelas quais o mundo está passando nas áreas ambiental, social e de governança – pilares da atuação ESG – serão debatidas, entre amanhã e sexta-feira, no Summit ESG, evento promovido pelo Estadão que reunirá representantes de empresas, organizações não governamentais e do universo acadêmico.

A realização do Summit reforça o entendimento de que a reputação e a sobrevivência a longo prazo das empresas dependem da definição de indicadores transparentes nesses pilares. Saiba mais sobre a programação diária no endereço: summitesgestadao.com.br.

A conscientização das empresas em relação à agenda ESG foi acelerada pela pandemia de covid-19, segundo o professor Eduardo Viola, do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB). “As organizações perceberam com mais clareza a importância de considerar riscos que pareciam longínquos, mas podem surgir a qualquer momento, como ocorreu com a pandemia.”

O debate corporativo sobre sustentabilidade não é recente – está em pauta desde o Protocolo de Kyoto, em 1997. O que mudou é a sensação de urgência sobre essa pauta. “A discussão sobre um modelo de desenvolvimento que garanta a qualidade de vida e os recursos naturais para isso vem acontecendo há algumas décadas”, diz a sócia especialista em ESG da KPMG, Nelmara Arbex. “Mas agora chegamos num ponto em que as ações efetivas não podem mais ser adiadas. Esta é a década do ‘vamos fazer’”.

Novos negócios. Além de garantir um planeta melhor, o ESG pode criar novos mercados. Um dos saltos esperados neste ano é a regulamentação do mercado internacional de carbono – o comércio de créditos entre instituições e governos que reduziram emissões e aqueles que desejam comprar créditos para compensar emissões. 

Este será um tema central da COP-26, conferência sobre o clima da Organização das Nações Unidas (ONU), em novembro, em Glasgow, Escócia. Espera-se participação em peso das corporações brasileiras. 

Muitas empresas já anunciaram metas de “net zero”, compromisso de eliminar emissões de gases de efeito estufa. A gigante dos alimentos JBS definiu 2040 como limite para alcançar esse objetivo. Para chegar à meta, a empresa terá de reduzir em 30% as emissões diretas ou oriundas da geração de energia de suas operações até 2030. O processo inclui investimentos previstos de US$ 100 milhões. 

O cenário tem contribuído para o crescimento de empresas especializadas na redução de pegadas de carbono. É o caso da Ambipar, que presta serviços de gestão ambiental e economia circular. “Definimos um plano de ação a partir de um diagnóstico profundo das operações do cliente.

Esse trabalho é importante para identificar eventuais riscos financeiros aos quais a empresa pode estar exposta”, explica a diretora de Sustentabilidade da Ambipar, Onara Lima. Há novos negócios diretamente voltados ao mercado de carbono, como a Moss, fundada em 2020. “Somos como um supermercado online de créditos de carbono, que compra no atacado e vende no varejo”, explica o fundador da empresa, Luis Felipe Adaime.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.