Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Estado do Rio não poderá acessar nova linha de crédito do BNDES para segurança

Antes de pedir o crédito, será necessário discutir com o banco o 'equacionamento de inadimplências', informou a assessoria de imprensa da instituição  

Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

10 Março 2018 | 00h49

O Estado do Rio de Janeiro não poderá acessar a nova linha de crédito aprovada nesta sexta-feira, 9, pelo conselho de administração do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) – o BNDES Segurança. Antes de pedir o crédito, o Rio vai ter que discutir com o banco o “equacionamento de inadimplências”, informou a assessoria de imprensa da instituição.

Ao todo, R$ 42 bilhões serão disponibilizados a Estados (R$ 32 bilhões) e municípios (R$ 10 bilhões) investirem em projetos de segurança.  Ceará, Espírito Santo, Pará, Paraná, Rondônia, Santa Catarina e São Paulo podem acessar o banco diretamente para acessar o dinheiro. Os demais vão precisar de um aval prévio da União e de bancos comerciais que assumam o risco do empréstimo. 

++ Presidente do Ipea é cotado para comandar o BNDES

As condições dos empréstimos são TLP mais 0,9% de spread. Os prazos de pagamento são de cinco a dez anos, dependendo do tipo de crédito. “Os projetos que forem aprovados nas próximas semanas têm chances de ter os recursos liberados antes do período de restrição eleitoral, que começa em 6 de julho. Especificamente no caso dos municípios, é possível liberar recursos logo após o segundo turno eleitoral, nos meses de novembro e dezembro”, informou o banco. 

++ Pré-candidato, Rabello usa BNDES para se lançar à Presidência

Há ainda R$ 211 milhões de crédito a cinco Estados em fase final de aprovação, que serão usados em reformas de instituições prisionais e criminalísticas e com equipamentos. Pernambuco vai ficar com R$ 116 milhões; Rondônia, com R$ 41 milhões; Santa Catarina, R$ 25 milhões; Maranhão, R$ 16 milhões; e Pará, R$ 13 milhões.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.