Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

'Estado' fica mais interativo nos tablets

Nova versão do jornal para iPad e Android chega com mais recursos, com conteúdo da edição impressa, vídeos e informações complementares

O Estado de S.Paulo

10 de novembro de 2013 | 02h12

A versão do Estado para tablets ganhou nova cara. Batizado de Estadão Premium, a edição do jornal para iPads e Androids está mais interativa - agora, além de ler o conteúdo correspondente à edição impressa do dia, é possível assistir a vídeos, ter acesso a informações atualizadas e complementares, enviar mensagens ao jornal e aos colunistas, ver mais fotos e até jogar palavras cruzadas e sudoku. Isso tudo dentro do próprio aplicativo.

Quem é assinante ou comprou algum dos exemplares publicados na semana passada já deve ter notado essas novidades. Na edição de quarta-feira, por exemplo, um vídeo produzido pela TV Estadão (sobreposto à foto de uma das chamadas da capa) informava como havia sido o protesto que reuniu mascarados na Avenida Paulista. Já no último dia da São Paulo Fashion Week, uma galeria de fotos com a modelo Gisele Bündchen foi destaque na capa. E o leitor que tocasse nessa chamada era levado diretamente à reportagem sobre o evento de moda, onde havia ainda um vídeo do desfile de Ronaldo Fraga.

"Nosso objetivo com a nova versão digital do Estadão é levar o mesmo jornal que chega às bancas ou às casas dos assinantes para o tablet, mas com recursos multimídia, porque isso enriquece a experiência de leitura", diz o diretor de Desenvolvimento Editorial, Roberto Gazzi.

Além dos recursos interativos, o Estadão Premium apresenta um jeito de navegar mais intuitivo. Para passar as páginas no iPad, em vez de deslizar o dedo na vertical, basta deslizá-lo na horizontal, assim como o leitor folheia o jornal. Já quem quiser ver os destaques das primeiras páginas de cada editoria de uma vez só pode clicar no ícone de tópicos horizontais, que aparece ao lado direito da seta "voltar".

Esses são apenas alguns dos elementos que pretendem tornar a leitura mais dinâmica em tablets - aparelho que tem sido cada vez mais adotado para o consumo de jornais e revistas. Nos Estados Unidos, por exemplo, dois em cada cinco donos de tablets já leem jornais e revistas em seus aparelhos, e um em cada dez lê quase todos os dias, segundo pesquisa da comScore do ano passado.

No Brasil, a percepção é de que esse comportamento ganhe força, já que a venda de tablets não para de crescer. Segundo a consultoria IDC, 1,92 milhão de unidades foram vendidas no segundo trimestre deste ano, alta de 151% em relação ao mesmo período de 2012. Essa categoria de dispositivos representou 35% dos computadores vendidos nesse período. Só perdeu para a de notebooks, que representou 38%.

Não é apenas por causa de números como esses que o Estado tem investido na produção de conteúdo para os meios digitais. O estudo de comportamento dos leitores tem sido fundamental nessa nova empreitada, segundo o diretor comercial de mercado leitor, Alexandre Tubenchlak. "Notamos que há diversos momentos de leitura ao longo dia. De manhã, por exemplo, ele lê com mais calma a versão impressa; ao se deslocar pela cidade, acessa pelo tablet; no trabalho, opta pelo computador pessoal. Assim, o Estadão o acompanha ao longo de todo o dia."

A tendência dos usuários "multitelas" (que consomem conteúdo em TV, smartphone e computador) é também considerada nas análises do grupo. Existem hoje no Brasil 30 milhões de pessoas com esse perfil, segundo pesquisa divulgada em agosto deste ano pelo Google. Os tablets, nesse contexto, ganham destaque - a adoção dos dispositivos cresceu 300% em relação a 2012.

Por isso, é necessário entregar ao leitor a informação de maneira integrada, a qualquer hora e em qualquer lugar, segundo o diretor de Conteúdo do Grupo Estado, Ricardo Gandour. "O Estadão Premium é a união da tradição do jornalismo do Estadão com as possibilidades multimídia dos tablets."

Hoje, a maior parte dos assinantes do jornal opta pelo pacote completo, que entrega o jornal na casa do leitor todos os dias e oferece acesso ao conteúdo digital. Isso inclui, além do Estadão Premium, o Estadão Light (versão mais compacta da edição do dia, com as matérias principais), Estadão Noite (edição vespertina publicada de segunda a sexta-feira) e Estadão Fotos (as melhores imagens da semana, publicadas no sábado). Para atender a todos os perfis de leitor, o Estado oferece também outras assinaturas, como a exclusivamente digital e a que combina o digital com as edições impressas nos fins de semana.

Publicidade digital. Além de uma experiência de leitura mais interativa, o novo Estadão para tablets oferece novas possibilidades para os anunciantes. Agora é possível levar o usuário do anúncio a uma página da internet, por exemplo, sem que o usuário saia do aplicativo. Trata-se de uma oportunidade para a empresa que deseja divulgar alguma ação relacionada ao anúncio.

Vídeos interativos são também outra opção. Para retomar a leitura normalmente, basta um toque no topo esquerdo da página. "O Estadão Premium permite diversas formas de interação nos formatos publicitários", diz Carolina Tuttoilmondo, diretora comercial de mídias digitais do Estado.

O diretor de Arte do Estado, Fabio Sales, explica que o experimento de novas ferramentas multimídia no Estadão Premium será contínuo. "Vamos nos aproveitar de todas as vantagens que o mundo da tecnologia nos dá. Mais recursos interativos virão por aí."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.