Estados firmam pacto para desenvolver o Centro-Norte

Em reunião ocorrida hoje, em São Luís, foi implementado oficialmente o Fórum Permanente dos Governadores do Corredor Centro-Norte, do qual fazem parte os Estados do Maranhão, Piauí, Tocantins, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Pará. Os governadores participantes do Fórum devem voltar a se reunir no mês de agosto, em Teresina.O Fórum, que terá vigência até o dia 31 de dezembro de 2010, visa atrair investimentos do governo federal que sejam comuns aos sete Estados, nas áreas de energia, bioenergia, logística, produção industrial, agropecuária e mineração. A instalação do Fórum foi oficializada com a assinatura de um protocolo de intenções entre os Estados membros e teve a participação dos governadores do Piauí e do Maranhão, Wellington Dias (PT) e Jackson Lago (PDT), respectivamente. Também participaram os vice-governadores do Mato Grosso, Silval Barbosa (PMDB), do Tocantins, Paulo Sidnei (PPS) e do Pará, Odair Corrêa (PSB), além do secretário Especial de Portos, Pedro Britto, e do ministro extraordinário de Assuntos Estratégicos, Mangabeira Unger.De acordo com o governador Jackson Lago (PDT), coordenador do Fórum, a principal missão agora é buscar apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a elaboração de projetos para a região. "Nós pretendemos, a partir de agora, elaborar um estudo técnico visando traçar as prioridades conjuntas dos sete Estados", afirmou Lago.ProjetosEntre os projetos considerados prioritários para o desenvolvimento econômico da região do Corredor Centro-Norte, foram escolhidos a implementação de um complexo hidroviário interligando o Rio Parnaíba (PI), com vias de acesso ao Rio Tocantins (TO); a duplicação da ferrovia Norte-Sul, principalmente entre Açailândia (MA) e São Luis; a construção de ramais ferroviários, interligando cidades como Estreito (MA), Balsas(MA), Eliseu Martins (PI), Miracema (TO) e Lucas do Rio Verde (MT); e a ampliação do Porto do Itaqui, em São Luís, local escolhido para o escoamento da produção da região.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.