Ed Ferreira|Estadão
Ed Ferreira|Estadão

coluna

Coluna Dan Kawa: Juro baixo é bom, mas impõe desafio ao investidor

Estados calculam ganho de R$ 5,4 bi com repatriação e querem barrar mudanças

Governadores das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste irão pedir para que suas bancadas na Câmara votem contra o adiamento do prazo do programa

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

05 de outubro de 2016 | 13h37
Atualizado 05 de outubro de 2016 | 16h56

Se não houver modificações pelo Congresso Nacional, o programa de repatriação de recursos enviados ilegalmente ao exterior pode render pelo menos R$ 5,37 bilhões aos cofres dos governadores. A conta foi feita pelos secretários de Fazenda dos Estados com base nas novas estimativas da Receita Federal de uma arrecadação total de R$ 25 bilhões com o programa.

Parte da arrecadação do Imposto de Renda (IR) que é cobrado dos contribuintes que aderirem ao programa - 21,5% - é dividida com os Estados por meio do Fundo de Participação dos Estados (FPE). Desse total, 85% são destinados aos Estados das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. A Bahia é o Estado que receberá o volume maior do dinheiro da repatriação (R$ 449,19 milhões) seguido por Maranhão (R$ 376,52 milhões) e Ceará (R$ R$ 358,74 milhões).

Para tentar convencer os parlamentares a não mudarem as regras da repatriação, a lista da arrecadação estimada está sendo distribuída no Congresso. O corpo-a-corpo se intensificou nos últimos dias. Os governadores entraram em estado de alerta porque avaliam que a arrecadação da repatriação vai cair com a flexibilização das regras que está sendo proposta pelos deputados. Para eles, se as novas regras forem aprovadas, os contribuintes que quiserem repatriar vão acabar pagando menos Imposto de Renda (IR) e multa que são cobrados como uma forma de "pedágio" para terem o dinheiro regularizado.

Há nos Estados uma expectativa grande com a entrada desse dinheiro rapidamente para ajudar a pagar as despesas que estão atrasadas, entre elas, de fornecedores e salários dos servidores.

Em reunião hoje com o secretário executivo do Ministério da Fazenda, Eduardo Guardia, os governadores manifestaram grande preocupação com a aprovação do projeto que altera a repatriação. Foi também avaliado o risco de aumento da insegurança jurídica em torno da repatriação, no caso dessas mudanças serem implementadas. O governo estima R$ 25 bilhões com a repatriação, mas a avaliação da equipe econômica é que o resultado poderá surpreender. A Fazenda é contrária às mudanças.

"Se mudarem a repatriação, vão derrubar a arrecadação", disse o coordenador do Consórcio Nacional de Secretarias de Fazenda dos Estados (Consefaz), André Horta. Ele, que é secretário de Fazenda do Rio Grande do Norte, avaliou que a pressão dos governadores no Congresso para barrar as mudanças vai se intensificar, principalmente no Senado Federal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.