Estados Unidos não devem voltar à recessão, diz Geithner

Para secretário do Tesouro americano, país deve apresentar um crescimento gradual nos próximos dois anos

REUTERS, O Estado de S.Paulo

26 de julho de 2010 | 00h00

WASHINGTON

A economia americana não deve voltar à recessão, mas eliminar o corte de impostos para os mais ricos é necessário para mostrar o compromisso do país com a redução do déficit orçamentário, disse ontem o secretário do Tesouro, Timothy Geithner.

Participando de diversos programas de televisão, Geithner disse que apenas 2% a 3% dos americanos - aqueles que ganham US$ 250 mil ou mais por ano - serão afetados quando o corte de impostos instituído pelo ex-presidente George W. Bush vencer, no final deste ano.

Os republicanos querem estender os cortes de impostos e os democratas estão divididos, mas Geithner disse que as reduções para aqueles que mais lucram devem terminar.

"Achamos que é a coisa responsável a se fazer porque precisamos garantir que podemos mostrar ao mundo que estamos dispostos como um país a começar a fazer progresso na diminuição de nossos déficits de longo prazo", disse ele no programa This Week, da rede de televisão americana ABC.

Geithner rejeitou os receios de que uma recuperação lenta poderia levar a mais uma recessão. Ele disse ao programa Meet the Press, da rede NBC que não esperava que isso acontecesse, apesar de que a recuperação da forte recessão que se seguiu à crise financeira de 2008-2009 será em prazo longo.

"Eu acho que a coisa mais provável é se ver uma economia que gradualmente se fortaleça nos próximos um ou dois anos, você vai ver o crescimento do emprego começar a voltar, expansão de investimentos... Mas nós temos um longo caminho. e devemos ir com calma", disse.

Pequenas empresas. Segundo Geithner, o governo Barack Obama quer que o Congresso aprove medidas para ajudar pequenas empresas, tradicionalmente as principais criadoras de empregos. Ele disse que havia sinais de fortalecimento na contratação em setores privados "críticos".

"Queremos ver isso acontecer em ritmo mais rápido, mas achamos que a maioria das pessoas compreende que (...) essa foi uma crise profunda", disse. "Levará tempo para consertar os prejuízos, tempo para sair dessa."

Segundo ele, a reforma nas regras do sistema financeiro americano aprovada na semana passada deveria aumentar a confiança na economia, dando aos consumidores novas proteções e mais poder ao governo para restringir a tomada de riscos por parte dos bancos.

Geithner disse que nenhuma reforma pode afastar crises futuras, mas pode diminuir seus danos. Se as reformas que agora foram transformadas em lei, incluindo poderes para fechar empresas financeiras em dificuldades, tivessem sido feitas antes da crise, o prejuízo para empregos e fortunas poderia ter sido menor, disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.