Estados Unidos proíbem BP de firmar novos contratos com governo

Os Estados Unidos vetaram temporariamente nesta quarta-feira a BP dos contratos com o governo pela falta de "integridade de negócios" da empresa por conta do derramamento de petróleo da plataforma Deepwater Horizon em 2010, uma medida que segundo a companhia britânica poderia forçá-la a repensar suas operações no país norte-americano.

ROBERTA RAM, Reuters

28 de novembro de 2012 | 20h32

A Agência de Proteção Ambiental (EPA, na sigla em inglês) disse que a suspensão é uma ação "padrão" após ações criminais tomadas contra a empresa.

No início deste mês, a BP Plc se declarou culpada por comportamento criminoso após o desastre no Golfo do México, pior vazamento de petróleo já registrado nos Estados Unidos, e concordou em pagar multas recordes de 4,5 bilhões de dólares.

A suspensão prevê que a BP e suas subsidiárias não poderão firmar novos contratos com o governo dos EUA, incluindo uma licitação pendente de exploração de novos territórios no Golfo do México, uma das maiores regiões produtoras da gigante britânica no mundo.

Cerca e 20 milhões de acres (quase 9 milhões de hectares quadrados) fazem parte da licitação a ser realizada na quarta-feira.

A suspensão não afeta os contratos atuais.

"As Agências Federais de Execução tomam essas ações a fim de garantir a integridade dos programas ao fazer negócios apenas com empresas ou pessoas físicas responsáveis. Suspensões são uma prática padrão quando o assunto é responsabilidade ante um processo criminal", disse a EPA em um comunicado.

(Reportagem de Jonathan Leff e Karey Wutkowski)

Tudo o que sabemos sobre:
COMMODSUEPROIBEBP*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.