Estados Unidos querem que China reduza superávit

Conversas entre os países sobre relações comerciais terminaram sem conclusão; chineses dizem que desentendimentos ainda são grandes

Reuters

05 Maio 2018 | 04h00

WASHINGTON E PEQUIM- O governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, endureceu nas negociações comerciais com a China, exigindo um corte de US$ 200 bilhões no superávit comercial chinês com os EUA e uma redução acentuada de tarifas e subsídios a tecnologias avançadas, disseram nesta sexta-feira, 04, pessoas a par das negociações entre os dois países.

+ Temer admite que pode ir à OMC contra sobretaxa de aço e alumínio

A longa lista de exigências foi apresentada a Pequim antes do início das conversas entre autoridades de primeiro escalão das duas partes para tentar evitar uma guerra comercial danosa entre as duas maiores economias do mundo.

Um comunicado da Casa Branca não mencionou demandas específicas, mas disse que a delegação norte-americana teve “debates francos com autoridades chinesas sobre o reequilíbrio do relacionamento comercial bilateral Estados Unidos-China, aprimorando a proteção de propriedade intelectual da China e identificando políticas que impõem transferências de tecnologia injustamente”.

+ Proposta dos EUA reduz em 30% exportações brasileiras de aço acabado

O comunicado não deu nenhuma indicação de que Trump recuará em sua ameaça de impor tarifas sobre até US$ 150 bilhões de bens chineses por conta de alegações de roubo de propriedade intelectual.

A delegação americana voltaria nesta sexta-feira para Washington para informar Trump sobre as conversas com os chineses e “buscar sua decisão sobre os próximos passos”, disse a Casa Branca, acrescentando que o governo chegou a um “consenso” sobre uma “atenção imediata” a uma mudança no relacionamento comercial e de investimentos entre as duas nações.

+ EUA decidem aplicar sobretaxa ou cota de exportação a aço e alumínio do Brasil

Desentendimentos. A agência de notícias estatal chinesa Xinhua relatou que as conversas foram “francas, eficientes e construtivas”, mas com desentendimentos que continuam “relativamente grandes”.

As ameaças de imposição de tarifas às exportações abalaram os mercados nas últimas semanas, e o desfecho inconclusivo das negociações em Pequim não ajudou a conter um ímpeto de compra de ações nos EUA, incitado por dados do emprego que amenizaram os temores de um aumento de juros mais acelerado do Banco Central. As ações encerraram com queda de 0,5% em Xangai, enquanto em Hong Kong caíram 1,3%.

+ Adiar discussão sobre tarifas só ‘prolonga a incerteza’, diz UE

Em entrevista coletiva em Washington, Trump disse que está determinado a levar justiça ao comércio EUA-China. “Faremos algo de um jeito ou de outro com respeito ao que está acontecendo na China”, afirmou, acrescentando que tem “grande respeito” pelo presidente chinês, Xi Jinping. “É por isso que estamos sendo tão legais, porque temos um ótimo relacionamento”.

Durante as conversas, Pequim pediu que os EUA suavizem as sanções rigorosas impostas à fabricante chinesa de equipamentos de telecomunicação ZTE, disseram pessoas com conhecimento do assunto.

Os funcionários trocaram opiniões sobre a proteção da propriedade intelectual, a expansão das exportações dos EUA e o comércio de serviços bilateral, noticiou a Xinhua, sem dar indícios sobre quais ações podem ser adotadas, mas dizendo que os dois lados se comprometeram a resolver suas desavenças comerciais através do diálogo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.