Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Estados Unidos vão reabrir plano de resgate a bancos pequenos

Devolução de empréstimos feitos aos bancos grandes vai permitir que Tesouro financie instituições menores

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

13 de maio de 2009 | 10h14

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Timothy Geithner, disse a um grupo de executivos de bancos que o Departamento do Tesouro pretende oferecer em breve mais capital aos bancos pequenos, por meio da reabertura de seus principais programas de resgate do setor financeiro.

 

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise

 

O Tesouro espera receber bilhões de dólares em recursos dos grandes bancos que estão devolvendo os empréstimos tomados do governo por meio do Programa de Alívio de Ativos Problemáticos (Tarp, na sigla em inglês). Segundo Geithner, os volumes resultantes dessas devoluções permitirão ao Tesouro financiar bancos com ativos inferiores a US$ 500 milhões.

 

"Ao utilizar os recursos provenientes das devoluções dos empréstimos concedidos, planejamos reabrir as inscrições para que os bancos com ativos totais inferiores a US$ 500 milhões tenham acesso a recursos por meio do Programa de Compra de Capital", disse Geithner durante fórum em Washington.

 

Geithner acrescentou que o Tesouro pretende ampliar a data limite para que os bancos pequenos se transformem em holdings bancárias para ter acesso ao Programa de Compra de Capital.

 

Melhora

 

O secretário afirmou que as condições para a tomada de empréstimos e para a emissão de papéis melhorou e que vê sinais positivos no mercado imobiliário, embora uma total recuperação do setor deva levar tempo. No evento, Geithner disse que a "alavancagem recuou" e que os segmentos mais vulneráveis do sistema financeiro fora do setor bancário não existem mais".

 

Ele acrescentou que os bancos começam a se financiar de maneira mais conservadora. Segundo ele, embora ainda haja muitos ajustes para serem feitos no sistema financeiro norte-americano, "uma substancial parte do processo de ajuste já foi concluído".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.