Estagflação afeta perspectivas e mercados asiáticos caem

As principais bolsas asiáticastiveram uma quarta-feira de queda, com o Japão registrando suapior seqüência de baixas em 43 anos, à medida em que oscrescentes preços do petróleo e alimentos fomentavam medos deestagflação, aumentando os riscos dos investidores e derrubandoainda mais o mercado. O índice MSCI da Ásia Pacífico exceto Japão tinha perda de0,71 por cento, para 421 pontos. "A inflação está crescendo globalmente, e isso éprovavelmente mais assustador do que a segunda leva de baixascontábeis que estamos vendo nas empresas financeiras nosEstados Unidos", afirmou Mixo Das, estrategista do LehmanBrothers em Hong Kong. "Não há indicação de que a inflação esteja no pico",afirmou Davis. O mercado japonês, que no início do ano foi apontado comoboa escolha em meio à crescente inflação global, foi derrubadopor receios de que os altos custos de energia irão reduzir ademanda de produtos exportados pela segunda maior economia domundo. O índice Nikkei da bolsa de Tóquio fechou com queda de 1,31por cento, para 13.286 pontos, pior nível em 11 semanas, tendorecuado 10 sessões consecutivas -- maior seqüência deste tipodesde 1965. O índice Hang Seng da bolsa de Hong Kong perdeu 1,8 porcento, a 21.704 pontos, com destaque negativo para o HSBCHoldings e a China Mobile . A Cathay Pacific teve o segundo pior desempenho depois quea empresa alertou para lucros "decepcionantes" por conta docombustível mais caro. A bolsa sul-coreana teve uma das piores quedas docontinente, com o índice KOSPI perdendo 2,57 por cento, a 1.623pontos. As ações da LG Electronics despencaram 4,2 por centodepois que operadores afirmaram que o JPMorgan reduziu opreço-alvo da ação, citando baixas vendas de telefones sem fio. A bolsa australiana fechou com baixa de 0,86 por cento, em5.094 pontos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.