Estagflação ameaça e mercados da Ásia mantêm baixa

As principais bolsas asiáticasfecharam em queda na quinta-feira, com as ações japonesasapresentando sua maior seqüência de baixas em meio século portemores acumulados de que a alta recorde do petróleo e aestagflação continuarão a afetar lucros das empresas e o gastodo consumidor. Às 8h22 (horário d Brasília), o índice MSCI que reúnemercados da região Ásia-Pacífico exceto o Japão recuava 2,11por cento, a 413 pontos. O índice Nikkei, da bolsa de TÓQUIO, fechou comdesvalorização de 0,16 por cento, a 13.265 pontos, dandocontinuidade a uma seqüência de 10 pregões consecutivos, maiorsérie de perdas desde 1954. Os negócios foram pressionados peladesvalorização do Dow Jones na quarta-feira, que terminou 20por cento abaixo do pico alcançado em outubro. A fraqueza não foi sentida apenas no mercado japonês. Oambiente na Ásia foi de mistura de inflação crescente edesaquecimento econômico, processo conhecido como estagflação. "O que parece estar acontecendo é que vemos um fluxo desaída das bolsas emergentes e dos títulos soberanos, o que nãoé surpresa dado o cenário de inflação", afirmou Dwyfor Evans,estrategista no State Street Global Markets, em Hong Kong, queacompanha fluxo de capital. O índice MSCI do continente perdia 1,18 por cento, a 117pontos. Ele acumula queda de aproximadamente 22 por cento desdea alta recorde de novembro. O índice Hang Seng da bolsa de HONG KONG tevedesvalorização de 2,13 por cento, para 21.242 pontos. A bolsa de SYDNEY fechou com perda de 1,89 por cento, em4.998 pontos, próxima ao pior nível em dois anos. O mercado foiafetado pelo setor minerador que foi atingido por temores deque o desaquecimento econômico global impactará a demandaglobal por commodities. A BHP Billiton, maior mineradora do mundo, e sua rival RioTinto, despencaram mais de 7 por cento cada. Na Coréia do Sul, a bolsa de SEUL a bolsa recuou 1,05 porcento, para 1.606 pontos. XANGAI foi na contramão, subindo 2 por cento, e TAIWANavançou 0,55 por cento. CINGAPURA caiu 0,89 por cento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.