‘Estagiar me deu a certeza de que fiz a melhor escolha’

Aos 61 anos, Dirce Gonçalves cursa Pedagogia e volta à sala de aula para realizar sonho

O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2016 | 05h00

Todo dia Dirce Guedes Gonçalves, de 61 anos, arruma a casa e faz comida para o marido, o neto e o sobrinho que moram com ela em Jundiaí, no interior de São Paulo. A rotina, porém, sofreu algumas mudanças desde 2010, quando a então dona de casa voltou a estudar por incentivo do filho. Para trabalhar e ajudar a família, Dirce parou de frequentar a escola ainda na infância. Por isso, depois de concluir os ensinos fundamental e médio na rede de Ensino de Jovens e Adultos, ela decidiu começar a faculdade. “Escolhi pedagogia porque era a carreira que as mulheres seguiam quando eu era pequena, então era um sonho que eu tinha.”

Atualmente no 5.º semestre da faculdade, Dirce faz aulas presenciais e online, apontado por ela como sua maior dificuldade. “O curso exige bastante, mas o grande desafio para pessoas da minha idade é mesmo a aula no computador. Eu só fui ter um celular há um ano”, comenta. Depois de completar um período de estágio obrigatório, a estudante conseguiu uma vaga de estágio remunerado na rede municipal de ensino da prefeitura de Jundiaí. De segunda a sexta-feira pelas manhãs, ela ajuda os professores de turmas do 3.º ao 5.º ano. “É inspirador. Os professores da escola nos passam o conceito da educação transformadora, não aquela tradicional.”

No ambiente de trabalho, o preconceito pela idade perde espaço para o carinho das crianças e a admiração dos colegas que a consideram “corajosa por começar a carreira agora”. O mais importante para ela, porém, é aprender na prática o que o curso ensina. “Se eu tinha alguma dúvida sobre a pedagogia, ela se foi quando pisei na sala de aula. Foi lá que tive a certeza da minha escolha. Quero seguir na área de educação infantil e passar valores para as crianças. São muitos sonhos, mas tenho fé de que vou conseguir cumpri-los”, diz, confiante.

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.