finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Estagnação ou crescimento?

A indústria química brasileira passa por um momento de inflexão. Dois caminhos a ela se abrem: a estagnação ou o crescimento. A estagnação, consequência de um programa de investimento marginal, implica na progressiva perda de participação de mercado e na redução da posição competitiva da indústria. O crescimento, por seu lado, será consequência de um programa robusto de investimento e implicará no reforço competitivo da indústria estabelecida no Brasil.

PEDRO WONGTSCHOWSKI, ENGENHEIRO QUÍMICO, MESTRE, DOUTOR EM ENGENHARIA, PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO PETROQUÍMICA, QUÍMICA LATINO-AMERICANA , O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2012 | 03h07

O primeiro cenário - a estagnação - tem consequências nefastas. Fará com que parte crescente da demanda local seja atendida por importações e implicará na redução do número de empregos qualificados que a indústria química oferece. Nesse cenário, os setores a jusante da indústria - os da indústria de transformação, do agronegócio, dos serviços - perderão ainda mais do que a indústria química. É impossível desenvolver estes setores sem a participação ativa da indústria química, que cria produtos novos e aumenta a competitividade de seus clientes. O caminho da estagnação é o caminho do círculo vicioso: menos atividade, menos inovação, menos disponibilidade de produto gerarão mais importações, menor competitividade de setores consumidores de produtos químicos e, ao final, menor crescimento econômico no Brasil.

O segundo cenário - o crescimento - representa um circulo virtuoso: mais investimentos gera demanda por fabricação de equipamentos, por serviços de construção e montagem. Mais investimentos gera empregos e têm positivo efeito sobre os mercados a jusante da indústria química. Mais investimento gera inovação. Mais investimento gera mais consumo que exige, por sua vez, mais investimento.

Esse cenário, no entanto, tem como pré-requisito que a indústria local seja competitiva. Os fatores que levaram a indústria brasileira ao seu atual estado de baixa capacidade de competir são bem conhecidos. Dentre eles, estão o alto custo do investimento, os custos de energia, de matérias-primas; os custos logísticos, a tributação, os espúrios incentivos à importação, e crescentemente, os custos de mão de obra.

A evolução da indústria química mundial nos últimos 90 anos, aponta caminhos para o futuro. A indústria química de grande escala nasceu nos Estados Unidos, no começo da década de 1920 por um conjunto de circunstâncias: abundância de matérias-primas líquidas e gasosas de baixo custo, tecnologia adequada, um grande mercado e o incentivo para o crescimento ocasionando pelas demandas militares da segunda guerra mundial.

A rigor, disponibilidade de matérias-primas de baixo custo sempre foi o motor do crescimento da indústria química. Assim foi na Alemanha com o uso de gases provenientes da utilização de carvão, nos Estados Unidos com o uso de subprodutos de destilação de petróleo e mais ainda, no Oriente Médio com o uso de frações de gás natural. É assim hoje, nos Estados Unidos, com o advento do shale-gas. Esta nova fonte de matéria-prima de baixo custo está revitalizando a indústria química americana. Pode ser agora também o momento do Brasil.

No Brasil abre-se, finalmente, uma perspectiva para a indústria química: a disponibilidade de matérias-primas abundantes - portanto, potencialmente de baixo custo - e tecnologia para transformá-las nos building blocks mais importantes da indústria.

No curto prazo, as importações químicas - hoje representando US$ 42 bilhões anuais, e respondendo por 35% do consumo aparente - tendem a crescer. A saúde financeira - vale dizer a viabilidade - da indústria pode até ser melhorada, com as medidas tópicas que fazem hoje parte do cardápio adotado pelo governo federal.

Mas no prazo mais longo, digamos para o período 2016 - 2020, as decisões de investimento precisam ser tomadas agora. O prazo de maturação de investimentos de porte é, de pelo menos, 4 anos. As empresas só trilharão o caminho do investimento pesado - aquele que aumenta consideravelmente a capacidade de produção - se o sistema de precificação das matérias-primas futuramente disponíveis for definido agora. Este ano, 2012, representa a janela de oportunidade. Perde-la significa comprometer a partida de novas grandes unidades de produção em 2016 - 2020. Perde-la significa mais que duplicar as importações atuais, alcançando-se o nível de US$ 100 bilhões anuais em 2020.

Para um país com grande mercado interno, tradição industrial química estabelecida, a disponibilidade de matérias-primas poderá provocar um novo e necessário ciclo de investimentos no setor. Mas isto só ocorrerá se a precificação das matérias-primas futuramente disponíveis for definida agora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.