Estagnação predomina no segmento de serviços

A receita nominal do setor de serviços cresceu apenas 5,2% entre os meses de outubro de 2013 e de 2014. Também em termos nominais, avançou 6,5% no acumulado de 2014 e 6,8% nos últimos 12 meses, até outubro, comparativamente a iguais períodos anteriores, segundo o IBGE. Os números são próximos da taxa oficial de inflação e inferiores à inflação de serviços (8,5% ao ano). Mostram, portanto, que o ritmo da atividade de serviços declina - está entre a recessão e a estagnação - e nada indica que haverá uma mudança importante no último bimestre do ano.

O Estado de S.Paulo

18 Dezembro 2014 | 02h04

O setor de serviços depende do comportamento da indústria, que está em queda, e do comércio, quase estagnado. Também depende da renda das famílias, que contratam os serviços. Segundo o IBGE, as eleições ajudaram a derrubar o setor, pois as TVs perderam publicidade em razão do horário político.

A redução do crescimento dos serviços prestados às famílias - de 9%, em agosto, para 7,7%, em setembro, e 6,8%, em outubro, sempre em relação a igual mês de 2013 - é indicativa de que as pessoas cortam despesas, com poucas exceções, como a da alimentação fora do domicílio.

Entre as áreas que mais contribuíram para os resultados inexpressivos do setor de serviços estão os transportes terrestres e aéreos e o correio, este sob a concorrência da internet. Mas o crescimento dos serviços de informação e comunicação, que mais pesam na Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, também foi fraco, com aumento de receita nominal de apenas 2,1% entre outubro de 2013 e outubro de 2014. Na mesma base de comparação, os serviços audiovisuais, de edição e agências de notícias registraram queda anual de 1,6%.

A situação do setor só não é pior porque, em parte das atividades, há pouca concorrência. Os contratantes evitam trocar prestadores de serviços de segurança e vigilância, limpeza de prédios e de domicílios, teleatendimento e gestão de meios de pagamento (transferências de fundos). Estes estão incluídos nos serviços profissionais, administrativos e complementares, com elevado peso na PMS e cuja receita cresceu 11,3% entre os meses de outubro de 2013 e de 2014 e 8,4% em 12 meses.

Os últimos indicadores sobre o crescimento do PIB são fracos, devendo afetar os serviços neste fim de ano. Um pequeno alívio - transitório, provavelmente - só deverá ocorrer no período de férias, nas áreas turísticas, e em razão do reajuste anual do salário mínimo.

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.