Divulgação
Divulgação

Estaleiro Brasfels demite 2 mil empregados

Sem receber há mais de um ano da Sete Brasil, que o contratou para construir seis sondas para a Petrobrás, estaleiro fará os desligamentos até dezembro

Antonio Pita, Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

27 de novembro de 2015 | 05h00

RIO - A indefinição sobre o futuro da Sete Brasil, responsável pela construção de sondas de perfuração para a Petrobrás, provoca uma nova onda de demissões na indústria naval, com o desligamento de dois mil funcionários até dezembro no estaleiro Brasfels, em Angra dos Reis (RJ).

É o segundo estaleiro a reduzir a operação à espera de pagamentos da empresa, que há mais de um ano parou de repassar verbas para a construção de sondas já em andamento. A decisão do estaleiro agrava a desconfiança quanto à salvação da Sete Brasil, já afetada pela prisão do banqueiro André Esteves, presidente do BTG Pactual e principal articulador de um acordo entre os credores de US$ 3,6 bilhões em dívidas da companhia.

As demissões foram anunciadas pelo estaleiro ao Sindicato dos Metalúrgicos de Angra dos Reis na quarta-feira. Cerca de 230 funcionários já foram demitidos e os demais serão desligados até a primeira quinzena de dezembro. As demissões reduzem em 30% a capacidade de trabalho do estaleiro, contratado pela Sete Brasil para construir seis sondas para a Petrobrás – duas em fase intermediária e uma com 90% de avanço físico, mas com obras suspensas.

Segundo o presidente do sindicato, Manoel Sales, a direção do estaleiro sinalizou que a folha de funcionários estava “insustentável” após um ano sem aportes da Sete Brasil. A empresa teria indicado ao estaleiro que não há previsão para regularizar os pagamentos. “As demissões vão ter efeito na cidade, no comércio. Angra 3 (usina nuclear) já mandou embora mais de 1,5 mil trabalhadores. É muita demissão ao mesmo tempo”, disse o sindicalista.

Cortes. No início do ano, o estaleiro Enseada, da Odebrecht, na Bahia, também fechou as operações e demitiu mais de seis mil trabalhadores por conta do calote da Sete Brasil. O estaleiro desistiu do contrato com a empresa, que depende de uma reestruturação em discussão na Petrobrás desde janeiro. A crise na estatal, a retração dos investimentos no setor de óleo e gás e os efeitos da operação Lava Jato sobre empreiteiras já provocou a demissão de 20 mil pessoas na indústria naval somente em 2015.

A Sete Brasil e seus ex-diretores também são citados no esquema de formação de cartel e desvio de recursos para pagamento de propinas, o que desencadeou a grave crise na empresa, que também já demitiu cerca de 25% de seu quadro de funcionários e só tem caixa para operar até o primeiro trimestre do próximo ano, mesmo sem realizar os pagamentos aos estaleiros. Em nota, a empresa informou que “depende da aprovação do plano de reestruturação para regularizar o cronograma de pagamentos”, e disse que não comentaria as demissões.

Apesar dos atrasos, os estaleiros tinham acertado manter as operações. à espera de um acordo com a Petrobrás. Investidores também tinham concordado em adiar dívidas vencidas em outubro, após uma articulação liderada pelo BTG Pactual, um dos principais sócios na Sete Brasil. Com a decisão do Brasfels e a prisão de André Esteves, há apreensão quanto à manutenção do acordo e mesmo quanto à salvação da empresa. A Petrobrás e seu fundo de pensão Petros já registraram perdas com o investimento na companhia, e outros sócios também sinalizaram que vão rever o valor do ativo.

Recuperação. O entrave para a empresa é a reestruturação de seu contrato com a Petrobrás. Inicialmente, o contrato previa a construção de 28 sondas, com diferentes empresas operadoras. Agora, está em negociação a construção de apenas 18 ou até menos, com apenas três grupos operadores, entre eles a própria Sete Brasil. A medida visaria a recuperar a receita perdida pela empresa com a redução do número de sondas.

O acordo também prevê que dois novos sócios façam aportes de R$ 2 bilhões no projeto, e que um deles assuma a construção e a propriedade de quatro sondas. Apesar de o esboço do acordo ter passado por um pente fino pela área jurídica da Petrobrás, ainda há fortes resistências dentro da empresa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.