Estamos pagando por política de energia ineficaz, diz Bush

Presidente norte-americano admite preocupação com possível impacto do petróleo no preço da gasolina

Patrícia Fortunato, da Agência Estado,

22 de abril de 2008 | 15h30

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, afirmou nesta terça-feira, 22, estar "obviamente preocupado" com o impacto dos crescentes preços da gasolina sobre os consumidores - o barril de petróleo, que vem batendo sucessivos recordes nos últimos dias, atingiu nesta tarde a cotação histórica de US$ 119,90. Veja também:Petróleo bate recorde com sinais de demanda forte na China "Não há dúvidas de que os elevados preços da gasolina são como um imposto sobre nossos trabalhadores", afirmou o presidente norte-americano. Ele reiterou o pedido por mais exploração doméstica de petróleo e gás e disse que os EUA estão pagando agora por anos de política de energia ineficaz, política que segundo Bush negligenciou os hidrocarbonetos nos EUA. "Não há excesso de capacidade no mundo. Infelizmente, muito de nosso suprimento vem de países onde há instabilidade política", disse Bush. Ele negou, mais uma vez, que a economia dos EUA entrou em recessão: "Não estamos em recessão, estamos em um desaquecimento econômico", declarou, pedindo que o Congresso não eleve impostos. Bush falou durante encontro com o primeiro-ministro do Canadá, Stephen Harper, e com o presidente do México, Felipe Calderón, de temas como o Nafta, harmonização da regulamentação de negócios, padrões alimentares e de segurança e de políticas de imigração e energia.

Tudo o que sabemos sobre:
PetróleoGeorge W. BushCrise nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.