carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

‘Estamos preparando ações mais duras’

Segundo secretário, novas medidas para a economia vão buscar equacionar as finanças no médio e longo prazos

Entrevista com

Gustavo Barbosa, secretário da Fazenda do Rio

Mariana Sallowicz, O Estado de S.Paulo

07 de outubro de 2016 | 22h35

RIO - Diante da grave crise financeira, o governo do Rio prepara ações “mais duras” para equacionar as finanças do Estado, disse o secretário da Fazenda do governo fluminense, Gustavo Barbosa. Ele negou que o governo tenha feito qualquer pedido de ajuda financeira à União.

Qual a eficácia da suspensão de pagamentos decretada? A economia de R$ 186 milhões faz diferença?

É um início. Estamos preparando ainda neste mês algumas ações que serão mais duras do que as que foram até agora apresentadas com o objetivo de se indicar um caminho de equacionamento no médio e longo prazo.

Quais são as opções?

Não posso antecipar. Vamos atacar os dois lados do balanço, tanto da parte da receita quanto da parte da despesa.

O Rio pode sobreviver a essa sem ajuda do governo federal?

Não sei de onde foi tirada essa informação, que não procede. É uma invencionice. Não temos nenhum pedido de crédito no governo federal.

Não existe possibilidade de entrar recursos por parte do governo federal?

Não está sendo negociado.

Quanto o Rio precisaria para fechar o ano fora da situação de calamidade?

O Estado hoje está num déficit estrutural. Não há como equacionar isso em dois meses. A gente vai buscar com essas medidas, no médio prazo, tentar convergir para que esse déficit financeiro se reduza. As ações vão atacar o déficit para convergir para o equilíbrio fiscal.

Quando é possível chegar a esse equilíbrio fiscal?

O Estado é muito engessado sob a perspectiva de reduzir o orçamento. A receita é bastante vinculada e a despesa, mais rígida ainda. Devemos ter uma dificuldade maior em 2017 e 2018. Acreditamos que de 2018 para 2019 começaremos a ter uma convergência no médio prazo.

Continuará ocorrendo atrasos nos pagamentos dos servidores, fora do estipulado pelo STF de pagamento no terceiro dia útil?

O Estado do Rio alterou a data de pagamento dos servidores em virtude do volume de recursos em caixa, que possui maior entrada dentro desse período de dez dias úteis. É de extrema dificuldade para o Estado cumprir a determinação do STF no início do mês. Temos depositado os salários dentro do calendário oficial do Rio.

Tudo o que sabemos sobre:
UniãoSTF

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.