Estamos satisfeitos e insatisfeitos com PAC, afirma Dilma

Ministra disse que PAC tem sido muito bom para o governo porque permitiu aperfeiçoamento da gestão

Adriana Fernandes e Renata Veríssimo, da Agência Estado,

20 de setembro de 2007 | 16h40

Mostrando seu estilo reconhecidamente exigente, a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, afirmou nesta quinta-feira, 20, que o governo está satisfeito e ao mesmo tempo insatisfeito com o andamento do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Durante a apresentação do segundo balanço do programa, Dilma afirmou que é essa duplicidade que move o PAC. "Do ponto de vista do governo estamos muito realizados. Por outro lado, estamos instigados e desafiados", afirmou Dilma.   Segundo a ministra, esta insatisfação não poderia ser de outra forma, porque monitorar requer buscar o melhor resultado, e segundo ela, o melhor resultado é buscar 100% de realização. "E essa é a nossa meta", disse.   Acrescentou ainda que o PAC tem sido muito bom para o governo porque tem permitido grande aperfeiçoamento da gestão dos ministros, dos Ministérios e dos órgãos governamentais.   Obras   A ministra destacou ainda que, até o final do ano, algumas obras previstas no PAC serão retiradas do programa. Segundo ela, sairão as obras que "por ene e mais um motivos não puderem gastar seus recursos em 2007". Segundo a ministra, essas obras serão postergadas e outras priorizadas. Ela explicou que algumas dessas obras enfrentam barreiras institucionais, que o governo leva meses para resolver.   Em relação às recomendações do Tribunal de Contas da União (TCU) que apontou irregularidades em algumas obras, Dilma disse que o governo tem uma relação sistemática com o tribunal, para resolver todos os problemas. Ela lembrou que também há dentro do governo uma sala de situação para resolver pendências judiciais. "É uma relação aberta, respeitosa e esperamos toda a correição possível, de lado a lado", disse Dilma.   A ministra ainda previu que o PAC transformará o Brasil em um grande canteiro de obras. Segundo ela haverá impacto direto na qualidade de vida da população e impacto indireto na geração de empregos e na construção civil.

Tudo o que sabemos sobre:
PACDilma

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.