Estamos todos com Tensão Pré-Copom, diz Bernardo

Segundo ministro do Planejamento, 'não podemos criar constrangimentos' para integrantes do Comitê

Tânia Monteiro, de O Estado de S. Paulo,

15 de abril de 2008 | 14h48

"Estamos todos com TPC (Tensão Pré-Copom). E isso afeta mais os homens do que as mulheres", disse nesta terça-feira, 15, o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, ao ser questionado sobre o que espera da reunião desta terça e quarta do Comitê de Política Monetária, que discute a taxa básica de juros, a Selic. Particularmente o ministro disse que não está se sentindo afetado por conta disso. "O Banco Central tem feito excelente trabalho nestes cinco anos e é bom que eles (Copom) decidam sem esse tipo de pressão, sem constrangimento. Não podemos criar constrangimentos. Cada um tem o direito de ter a opinião que quiser (sobre a questão dos juros). Mas o BC tem tomado suas decisões (independente de opiniões)", afirmou o ministro.  ANP O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, voltou a criticar as declarações do diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo, Haroldo Lima, sobre a possibilidade de um mega campo de petróleo na área chamada Pão de Açúcar, na Bacia de Santos. Para o ministro o anúncio naquelas condições "foi ruim".  "Esse tipo de anúncio tem que ser programado e de acordo com as normas da CVM (Comissão de Valores Mobiliários), por exemplo, fora do horário do funcionamento das bolsas, precedido de uma preparação", afirmou o ministro. "Por isso tudo foi ruim como foi feito".  Questionado se haverá alguma punição ao presidente da ANP,por conta da reação do mercado financeiro, o ministro disse que a atividade regulatória neste acaso é a CVM. Em relação ao governo, o ministro descartou qualquer punição. "Vocês não vivem cobrando que as agências reguladoras têm de funcionar independentemente, autonomamente? E agora estão cobrando uma punição?", ironizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.