FABIO MOTTA/ESTADÃO
FABIO MOTTA/ESTADÃO

Estatais cortam 26 mil funcionários em um ano, aponta relatório do governo

Segundo boletim divulgado nesta segunda-feira, objetivo é chegar ao fim do ano com 33 mil postos a menos de trabalho; empresas investiram apenas 37,4% do programado nos nove primeiro meses de 2017

Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

04 Dezembro 2017 | 14h38

BRASÍLIA - As empresas estatais federais cortaram 26 mil funcionários em pouco menos de um ano. Segundo o Boletim das Empresas Estatais referente ao terceiro trimestre de 2017, o número de empregados nas estatais federais caiu de 533.188 para 506.852 entre o fim de 2016 e setembro deste ano. O documento foi divulgado nesta segunda-feira, 4, pelo Ministério do Planejamento.

+ Gustavo Franco diz que BB seria estatal 'pronta' para ser vendida

O relatório também apontou que as companhias estatais federais também investiram menos do que o planejado no período. Até setembro de 2017, foram aportados apenas 37,4% dos R$ 91,5 bilhões programados para o ano. "A Petrobrás e a Eletrobrás, que são as principais responsáveis pelos investimentos, estão em processo de reestruturação. Então era esperado que os investimentos caíssem. O fundamental agora é desalavancar essas empresas, ou seja, reduzir as suas dívidas", avaliou o secretário de Coordenação e Governança das Empresas Estatais do Ministério do Planejamento, Fernando Soares.

Ele mostrou que o endividamento das empresas estatais federais, que chegou a R$ 544 bilhões em 2015, caiu para R$ 437 bilhões em 2016 e estava em R$ 409 bilhões até setembro deste ano. "O endividamento já caiu em cerca de 25%, o que é positivo", considerou Soares.

O secretário também destacou a melhora do resultado das companhias. Em 2015, as estatais federais tiveram um prejuízo de R$ 32,024 bilhões, que foi revertido em um lucro de R$ 4,597 bilhões no ano passado. E, até setembro deste ano, a lucratividade das maiores empresas federais (como Petrobras, Eletrobras, Banco do Brasil e BNDES - que apresentam balanços trimestrais) já chegava a R$ 23,2 bilhões.

+ Após escândalos, refirnaria de Manguinhos muda de nome para retomar negócios

O boletim mostra ainda que o número de empregados nas estatais federais caiu de 533.188 para 506.852 entre o fim de 2016 e setembro deste ano. "Tivemos uma queda de mais de 26 mil empregados neste ano e voltamos para o patamar de 2011. Vamos acabar o ano com menos de 500.000 funcionários nessas empresas. Mas é importante lembrar que o nosso programa de desligamento (PDV) é voluntário", acrescentou Soares.

+ BB terá R$ 7 bilhões a mais para emprestar aos clientes 

Do orçamento de R$ 1,3 trilhão para as estatais em 2017, 73% foi executado nos nove primeiros meses do ano. No fim de setembro, havia 149 estatais federais, sendo 101 de controle indireto e 48 de controle direto. No terceiro trimestre deste ano, houve redução de uma estatal, com a saída da Indústria Carboquímica Catarinense (ICC) - que era uma subsidiária da Petrobras.

"Vamos reduzir ainda mais (o número de estatais) em 2018. A ideia é reduzir essa quantidade mais um pouco", afirmou Soares, sem detalhar quais empresas serão desestatizadas. "O ajustamento do Estado passa pela redução do número de estatais. A ideia por exemplo, é que a Petrobras se mova para as áreas foco de exploração e refino, mas pensamos em fazer reduções de subsidiárias de outras empresas", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.