finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Estatal boliviana paga segunda parcela da compra de refinarias

A estatal Yacimientos Petroliferos Fiscales Bolivianos (YPFB) pagou ontem a segunda cota de US$ 56 milhões pela compra das duas refinarias da Petrobrás naquele país. A primeira cota havia sido paga em 12 de junho, após meses de duras negociações sobre a nacionalização dos ativos. O relacionamento entre as duas empresas, no entanto, tende a piorar novamente: ao contrário do que espera La Paz, a Petrobrás anunciou ontem que não pretende fazer novos investimentos no país.Segundo o gerente geral de estratégia internacional da estatal, Paulo Aquino, o orçamento da Petrobrás para a Bolívia prevê apenas a manutenção dos projetos existentes. O governo boliviano espera para o dia 20 a entrega de novos planos de investimentos das petroleiras privadas que operam no país e ameaça cassar a concessão de quem não investir. Autoridades locais já criticaram uma suposta falta de apetite da estatal brasileira."Não acredito em perda da concessão, já que estamos seguindo à risca os contratos assinados", diz Aquino. As operações da Petrobrás na Bolívia renderam R$ 110 milhões no primeiro semestre de 2007, por causa do início de vigência de novos contratos.

O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2014 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.