Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Estatal espera aporte da União

Medida viabilizaria os investimentos no pré-sal

Kelly Lima, O Estadao de S.Paulo

08 de maio de 2009 | 00h00

O diretor financeiro da Petrobrás, Almir Barbassa, aposta na capitalização da estatal por meio da transferência de parte das reservas de petróleo hoje nas mãos da União, como uma forma de viabilizar os investimentos no pré-sal. Isso facilitaria a busca por novos financiamentos sem elevar demais a relação de dívida da empresa e garantiria a manutenção do "grau de investimento", classificação máxima obtida pela Petrobrás junto às agências internacionais de avaliação de risco. Para isso, o nível de "alavancagem" (relação entre o endividamento de longo prazo e o capital da empresa) não pode ultrapassar 35%.Apesar de destacar que a companhia está muito bem capitalizada, não somente para 2009 quanto para 2010, Barbassa acredita que esta seria uma "excelente saída" para conter a alavancagem da empresa no nível atual, em torno de 20%. Caso este aporte do governo não ocorra, "a empresa certamente teria que fazer uma nova emissão de ações no futuro", disse o diretor ao Estado. Segundo ele, a medida, que ainda está sendo discutida pela Comissão Interministerial, tem todas as condições - legais, financeiras e jurídicas - de ser implementada. "Sob todos os aspectos, seria uma decisão boa", disse. A ideia circula nos bastidores do setor e foi amplamente defendida pelo senador Aloizio Mercadante quando a Comissão Interministerial foi instalada, em julho do ano passado. Refere-se especificamente às áreas contíguas às reservas já descobertas no pré-sal da Bacia de Santos. No caso do bloco de Iara, por exemplo, com potencial de reservas estimado pelo mercado em até 4 bilhões de barris de petróleo, já existe a certeza entre os técnicos do setor de que o reservatório se estende bem além da área de concessão do bloco BM-S-11, invade áreas que ainda não foram licitadas. Ao ceder estas reservas para a Petrobrás, o governo ainda manteria outras áreas localizadas ao longo dos 110 mil quilômetros quadrados da faixa do pré-sal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.