Estatal não garante execução de obra na data prevista

Infraero diz que chuvas e recursos em licitações provocam atrasos, mas que vai trabalhar para minimizar adiamentos

Marina Gazzoni, O Estado de S.Paulo

12 de fevereiro de 2014 | 02h04

A Infraero está buscando formas de minimizar as alterações no cronograma de obras em aeroportos, mas afirma que não poderá garantir que as obras não sejam adiadas. Segundo o superintendente de Gestão Operacional da Infraero, Marçal Goulart, as mudanças nos cronogramas são feitas quando há apresentação de recursos no processo de licitação das obras, por questões meteorológicas, problemas com a qualidade do serviço de empreiteiras e solicitações das próprias empresas aéreas.

"As empresas precisam de uma data cravada para as reformas, porque precisam suspender os voos no sistema. Mas é um processo muito burocrático. É muito difícil cravar uma data", explica Goulart. "Estamos tentando um ajuste fino no processo para minimizar os adiamentos das obras", ressalta.

Segundo Goulart, a Infraero está alongando os prazos estimados por ela para as aprovações das obras para evitar adiamentos por questões burocráticas.

Além do procedimento de licitação pública, uma obra em aeroporto requer a avaliação e autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

No meio desse trâmite, a Infraero começa a negociar com as companhias aéreas as datas e horários nas intervenções das pistas e eventuais restrições na operação. A partir daí, as empresas iniciam os ajustes na operação. E, depois de tudo aprovado, a Infraero emite uma notificação a empresas para realizar a obra.

As mudanças no cronograma ocorrem, por exemplo, quando uma empreiteira questiona o resultado da licitação. Em casos assim, a Infraero tem de avisar as empresas que a obra prevista em determinada data será adiada - muitas vezes os ajustes na malha aérea já foram feitos.

No aeroporto de Campo Grande, por exemplo, a segunda fase da obra na pista já deveria ter sido feita, mas choveu muito na data prevista e obra foi adiada para agosto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.