Estátua homenageia o ‘banqueiro do rei de Portugal’

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Estátua homenageia o ‘banqueiro do rei de Portugal’

Homenageado foi um dos principais atores do financiamento do tráfico de escravos entre 1761 e 1786

Jamil Chade, Correspondente/ Neuchâtel, Suíça

27 de setembro de 2014 | 16h24

 No centro da pacata e perfeita cidade de Neuchâtel, uma estátua chama a atenção por sua placa, na qual os cidadãos locais agradecem aos benefícios deixados por David de Pury. O homenageado foi um dos principais atores do financiamento do tráfico de escravos entre 1761 e 1786. Integrou a South Sea Company, empresa com sede em Londres que, durante sua existência, transportou 65 mil escravos da África para as Américas.

Depois, se transformou no maior acionista da empresa Pernambuco & Paraíba, que trouxe cerca de 42 mil escravos de Angola durante 25 anos. Seu envolvimento no império português lhe valeria, anos depois, o apelido de “o banqueiro do rei” de Portugal.

Tudo o que sabemos sobre:
SuíçaEscravidão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.