coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Estiagem compromete desempenho do agro no Paraná

A estiagem continua refletindo na safra paranaense. O último levantamento feito pelo Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria da Agricultura do Estado, aponta uma redução de 17,7% em relação ao potencial produtivo de 28,93 milhões de toneladas desta safra. Os dados obtidos até 19 de junho prevêem 23,81 milhões de toneladas de grãos. Mesmo assim, 6% superior à última safra, quando o Paraná colheu 22,45 milhões de toneladas.Apesar das chuvas dos últimos dias, a escassez de água atingiu as culturas de inverno e a safrinha de milho. As perdas financeiras devem chegar a R$ 1,57 bilhão. "Devemos lembrar que essas perdas financeiras estão concentradas basicamente na soja, milho, trigo e feijão", disse a chefe da Divisão de Estatísticas Básicas do Deral, Gilka Cardoso Andretta. "Com uma propriedade mais diversificada, o produtor tende a ser menos prejudicado frente as intempéries."Em relação ao milho safrinha, o Paraná deverá colher 3 milhões de toneladas, o que representa 13,2% a menos do que o potencial da safra. A área com a cultura foi reavaliada para 968.251 hectares, ou 21.953ha a menos que o estimado em maio. A produtividade avaliada em 23,4 mil hectares já colhidos, de 3,5 mil quilos por hectare, está próxima do potencial, em razão de essas áreas terem sido plantadas em janeiro e fevereiro, escapando do rigor da estiagem.O milho da primeira safra já teve 99% da área colhida, com produção de 7,85 milhões de toneladas. Somando as duas safras, a estimativa é que se alcance 10,85 milhões de toneladas, o que seria 27% superior ao colhido na safra anterior.Trigo O trigo deve ser cultivado em 897,8 mil hectares. Uma área 29,7% inferior à cultivada em 2005. Sem chuvas regulares, o trigo foi prejudicado na semeadura, germinação e desenvolvimento no norte e oeste do Estado. Já na região sul, a falta de chuva está prejudicando a semeadura. Até o dia 19 de junho tinham sido plantados 85,1% da área. No ano passado, o volume atingia 91%. Estima-se que sejam colhidas 1,79 milhão de toneladas - 36,1% a menos que no ano passado.A previsão para a soja é de uma produção de 9,29 milhões de toneladas na primeira safra. Um pouco abaixo do ano passado, quando foram colhidos 9,50 milhões de toneladas. Segundo o agrônomo Otmar Hubner, até meados do mês tinham sido comercializados cerca de 52% da produção colhida. No mesmo período do ano passado eram 47%. Feijão Em relação ao feijão, o Estado deve colher 300 mil toneladas nesta segunda safra. Apesar de 10,8% inferior ao potencial da safra, a produtividade estimada pelo Deral poderá atingir mais que o dobro do observado no ano passado, quando foram colhidas 145 mil toneladas. São 194,2 mil hectares com a cultura - 56,2% superior à safra passada. Até o dia 19 de junho tinham sido colhidos 90,3% da área. Considerando as três safras de feijão, a previsão é colher 754 mil toneladas do produto - 36% superior ao ano passado.IBGENesta sexta-feira, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou quem, pelo segundo ano consecutivo, condições climáticas desfavoráveis - especificamente a falta de chuvas - foram fundamentais para a queda na produção brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas. A colheita de 2005 ficou em 112,697 milhões de toneladas - resultado 5,2% inferior à de 2004 e 8,8% menor que a de 2003, ano da maior safra nacional (124,285 milhões de toneladas). A redução foi puxada principalmente pelo milho (-6,6 milhões de toneladas ou -15,9%) e pelo trigo (-1,1 milhão de toneladas ou -19,9%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.