TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Estiagem derruba estimativa de produção de café em 2015

Falta de chuvas na região do Cerrado mineiro fez IBGE revisar para baixo a expectativa de produção de café no ano

Idiana Tomazelli, O Estado de S. Paulo

09 de outubro de 2015 | 13h09

RIO - A estiagem na região do Cerrado de Minas Gerais prejudicou o rendimento das plantações de café arábica, o principal tipo do grão cultivado no Brasil, informou nesta sexta-feira, 9, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A produção deve ficar em 1,937 milhão de toneladas (32,28 milhões de sacas de 60 kg), segundo o Levantamento Sistemático de Produção Agrícola (LSPA) de setembro, 2,2% a menos do que o estimado em agosto.

"Há redução na região do Cerrado em Minas Gerais. A estiagem afetou o rendimento da cultura", afirmou Mauro Andreazzi, gerente da Coordenação de Agropecuária do IBGE. "Com a colheita da safra aproximando-se do seu final, os produtores do Cerrado mineiro vêm constatando a necessidade de um volume maior de grãos para encher uma saca", acrescentou.

Ainda assim, a produção de café arábica será 1,0% maior do que no ano passado, quando foram colhidos 1,917 milhão de toneladas (31,95 milhões de sacas).

O café canephora, ou robusta, apesar de mais resistente ao calor, também vem sofrendo com a estiagem. Em setembro, o Espírito Santo, maior produtor (com 67,7% do volume colhido), revisou a previsão de produção para baixo em 2,7%. Como as demais regiões ficaram estáveis e houve leve crescimento em Rondônia, a estimativa total cedeu 1,6% na passagem do mês.

No acumulado de 2015, porém, a colheita de café robusta (ou conilon) deve totalizar 632,8 mil toneladas (10,55 milhões de sacas), 20% a menos do que no ano passado, quando a produção chegou a 791,4 mil toneladas (13,19 milhões de sacas). "O plantio desse café é irrigado, e o Espírito Santo diminuiu a capacidade de irrigação. Com isso, diminui a produção", explicou Andreazzi.

Mais conteúdo sobre:
cafeibge

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.