Estiagem faz governo acionar térmicas

A falta de chuvas nas últimas semanas está reduzindo a quantidade de água para geração de energia nas hidrelétricas. O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) está usando todas as usinas térmicas disponíveis para gerar energia, mas não tem sido suficiente para evitar o esvaziamento. A água armazenada nos reservatórios do Sudeste caiu para 44,9%, com folga de apenas 5,6 pontos em relação ao mínimo fixado pelo governo. Embora o País tenha capacidade para gerar até 12 mil megawatts (MW) de térmicas, a geração efetiva tem ficado em cerca de 4,5 mil MW médios com a falta de gás natural. Isso equivale a menos de 10% do consumo nacional, de cerca de 52 mil MW médios. Em janeiro, costuma ocorrer aumento do nível de água nos reservatórios, mas o volume de chuvas deste ano está abaixo da média dos últimos 76 anos, desde que o governo começou a fazer levantamentos do volume de chuvas. No Sudeste e Centro-Oeste, as chuvas ficaram 53% abaixo da média histórica e em torno de 50% no Nordeste. No Norte, a seca é ainda maior, com as chuvas 64% abaixo da média de longo prazo, o que se caracteriza como um dos períodos mais secos das últimas décadas. Segundo fontes do setor, não há sinais de que o Brasil vai ter de racionar energia este ano ou mesmo em 2009, já que o "período molhado" no Sudeste perdura até abril. "Ainda temos três meses para aguardar chuvas?, diz um especialista. "Se as chuvas forem intensas em apenas em um mês e nos locais certos, a situação se estabiliza.? A administração do sistema, porém, exige mais esforços do governo. O acionamento das térmicas no Nordeste, por exemplo, impõe à Petrobras um grande aumento no fluxo de caminhões para entrega de óleo diesel e óleo combustível na região. "São 150 caminhões a mais nas estradas, todos os dias?, diz um técnico. Além disso, o ONS aumentou para quase 3 mil MW médios a transferência de energia do Sudeste para o Norte e Nordeste, o que está acelerando o esvaziamento dos reservatórios do Sudeste. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.