Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Estiagem na América do Sul sustenta soja e milho na CBOT

Cenário: Camila Moreira

O Estado de S.Paulo

23 de dezembro de 2011 | 03h08

As cotações da soja e do milho fecharam em alta na bolsa de Chicago, ontem, após terem registrado o maior valor em um mês durante o pregão. Depois das quedas recentes, os compradores estiveram bastante ativos e deram sustentação aos preços. O contrato de março da oleaginosa subiu 0,73%, para US$ 11,7175 por bushel, depois de ter atingido 11,7750 por bushel ao longo da sessão. O mesmo vencimento do milho chegou a tocar US$ 6,25 por bushel e terminou com ganho de 0,16%, a US$ 6,1750 por bushel.

A preocupação dos participantes é com a falta de chuvas nas regiões produtoras da Argentina e do Sul do Brasil. Safras menores nesses países - importantes players do mercado de exportação de ambos os grãos - podem elevar a demanda pelos produtos dos Estados Unidos.

Além disso, as exportações norte-americanas na semana encerrada em 15 de dezembro ficaram bem acima das expectativas, o que analistas afirmam ser uma evidência de que os importadores consideram a oferta por parte dos Estados Unidos atrativa a esses preços, de acordo com a agência Dow Jones.

Em Nova York, os contratos futuros do algodão fecharam com ganhos na bolsa ICE Futures US, impulsionados pelas compras da China. Os lotes para entrega em março registraram alta de 0,46%, a 87,24 centavos de dólar por libra-peso. O café e o açúcar também terminaram em alta. O contrato para março do café subiu 0,68%, para 221,40 centavos de dólar por libra-peso, e o março do açúcar ganhou 0,51%, para 23,44 centavos de dólar por libra-peso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.