André Dusek/Estadão - 9/1/2018
André Dusek/Estadão - 9/1/2018

Estimativa de inflação para este ano sobe pela 16ª vez e já se aproxima de 8%

Boletim Focus elevou estimativa do IPCA para este ano de 7,65% para 7,89%; há um mês, era de 6,97%

Thaís Barcellos e Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

02 de maio de 2022 | 10h44

Brasília -  Economistas do mercado financeiro elevaram pela 16ª semana consecutiva a estimativa da inflação esperada para este ano, indicou o relatório do Boletim Focus divulgado pelo Banco Central (BC) nesta segunda-feira, 2. A estimativa foi de 7,65% para 7,89%, conforme o Relatório de Mercado Focus, cada vez mais distante do teto da meta deste ano (5%).  

No fim de março, o BC admitiu que a meta de inflação deve ser superada novamente neste ano. A probabilidade de "estouro" da meta é de 88% a 97%, calculou a instituição.

Para 2023, foco principal da política monetária, o afastamento do centro da meta (3,25%, com margem de 1,75% a 4,75%) também continua, com o aumento de 4,00% para 4,10%.

Para 2022, há um mês, a mediana para o IPCA era de 6,97%. Já para 2023, era de 3,80%. Considerando as 102 alterações nos últimos cinco dias úteis, a mediana para 2022 também subiu, de 7,72% para 7,95%. Para 2023, as 100 alterações feitas nos últimos cinco dias úteis elevaram a estimativa mediana de 4,00 para 4,12%.

Já a mediana para 2024 se manteve 3,20% na última semana, de 3,12% um mês antes. Já a previsão para 2025 continuou em 3%, mesmo porcentual de um mês atrás.

A meta para 2024 é de 3%, com margem de 1,5 ponto porcentual (de 1,5% para 4,5%). Para 2025, por sua vez, a meta ainda não foi definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

No comunicado do Comitê de Política Monetária (Copom) de março, o BC atualizou suas projeções para a inflação com estimativas de 7,1% em 2022 e 3,4% em 2023. Diante da volatilidade no mercado de petróleo causado pela guerra na Ucrânia, o colegiado ainda criou um cenário alternativo, com maior probabilidade, em que as previsões estariam em 6,3% e 3,1%, respectivamente.  O colegiado elevou a Selic em 1,5 ponto porcentual, para 11,75% ao ano.

Taxa de juros

A projeção para a Selic – a taxa básica de juros – no fim deste ano ficou estável no Relatório de Mercado Focus. Na última semana, a mediana continuou em 13,25%, ante 13,00% ao ano há um mês.

No Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central de março, o colegiado indicou a intenção de novamente elevar a Selic em 1 ponto porcentual em maio, de 11,75% para 12,75% ao ano, e, em comunicações posteriores, o colegiado sinalizou tendência de encerrar o ciclo no mês que vem.

Depois da surpresa com o IPCA de março (1,62%), contudo, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, apontou que o comitê iria analisar se houve mudança de tendência e que poderia reavaliar as estratégias.

No Boletim Focus, os economistas do mercado financeiro aumentaram a projeção para a Selic no fim de 2023 de 9% para 9,25%. Já a previsão para o fim de 2024 continuou em 7,50%, mesmo porcentual de quatro semanas atrás. Da mesma forma, a previsão para o fim de 2025 foi mantida em 7%, mesmo porcentual de um mês atrás.

PIB

O Relatório de Mercado Focus trouxe também aumento da previsão mediana para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) de 2022, que passou de 0,65% para 0,70%. Há um mês, a estimativa era de 0,52%.

Considerando apenas as 56 respostas nos últimos cinco dias úteis, a estimativa para o PIB no fim de 2022 passou de 0,70% para 0,75%.

Para 2023, a estimativa continuou em 1%, de 1,30% há quatro semanas. O Relatório Focus ainda trouxe as medianas para o PIB de 2024 e 2025, que continuaram em 2%, mesmo porcentual de um mês atrás.

Tudo o que sabemos sobre:
Banco Central do Brasilinflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.