bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Estimativas de safra confirmam ano favorável

Tanto as previsões de safra de grãos como os indicadores do agronegócio de 2018 são muito favoráveis, aproximando-se cada vez mais dos níveis recordistas observados em 2017

O Estado de S. Paulo

15 de abril de 2018 | 05h00

Tanto as previsões de safra de grãos como os indicadores do agronegócio de 2018 são muito favoráveis, aproximando-se cada vez mais dos níveis recordistas observados em 2017. É o que mostram o 7.º Levantamento da Safra 2017/2018 da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a terceira estimativa de safras do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e o informe Agronotícias do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

O Brasil deverá colher a segunda maior safra de grãos da história, com uma produção de 229,5 milhões de toneladas, segundo a Conab. O decréscimo em relação à safra passada, que atingiu 237,7 milhões de toneladas, é estimado em apenas 3,4%. Entre março e abril, a estimativa de safra aumentou 1,5%, o que corresponde ao aumento de 3,5 milhões de toneladas da produção de grãos.

A área de plantio cresceu cerca de 0,6% em relação à safra anterior e atingiu 61 milhões de hectares, dos quais 35,1 milhões de hectares correspondem à área utilizada pela soja. Os produtos mais plantados, além da soja, foram o milho (primeira safra), o feijão (segunda safra) e o algodão. O aumento da área plantada de algodão é estimado em 21,9%, o que torna a cultura a segunda maior em ganho absoluto de área semeada.

Há queda na área plantada (e na produção) de arroz, mas a segunda safra de feijão mostra recuperação em relação à primeira safra. A safra de milho deverá cair em relação à do ano passado, enquanto as safras de girassol e mamona terão enormes ganhos.

A expressiva safra de grãos desempenha papel decisivo nas exportações brasileiras do agronegócio, que atingiram US$ 9,08 bilhões em março, US$ 21,47 bilhões no primeiro trimestre e US$ 96,96 bilhões nos últimos 12 meses, com crescimento de 13,5% comparativamente aos 12 meses anteriores. A balança comercial do agronegócio registrou superávit de US$ 7,79 bilhões em março de 2018, destacando-se as vendas do complexo soja, carnes, produtos florestais, complexo sucroalcooleiro e café. As quantidades exportadas cresceram muito, mas os preços registraram acréscimos modestos ou até declínio.

Os bons resultados da agricultura favorecem os produtores e os consumidores. O grupo Alimentação e Bebidas do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do IBGE subiu apenas 0,07% em março.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.