Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Estoque de crédito recua 0,6% em janeiro, para R$ 3,2 trilhões

De acordo com o Banco Central, houve redução de 1,3% para empresas e alta de 0,2% para o consumidor

Célia Froufe e Bernardo Caram, O Estado de S.Paulo

24 Fevereiro 2016 | 11h49

BRASÍLIA - O estoque de operações de crédito do sistema financeiro caiu 0,6% em janeiro ante dezembro e chegou a R$ 3,199 trilhões, informou o Banco Central (BC). Em janeiro de 2015, o estoque de operações de financiamento estava em R$ 3,012 trilhões. Em 12 meses, portanto, houve alta de 6,2%.

De acordo com o BC, houve redução de 1,3% para empresas e alta de 0,2% para o consumidor de janeiro em relação a dezembro. Em 12 meses, a elevação é de 6,1% para as empresas e de 6,3% para a pessoa física. O estoque de crédito livre foi reduzido em 1,2% no mês e aumentou 3,3% em 12 meses. Já no caso do direcionado, houve estabilidade em janeiro ante dezembro e alta de 9,3% no acumulado de 12 meses.

O total de operações de crédito em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) aumentou de 54,3% em dezembro para 53,7% no mês passado.

O chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Tulio Maciel, avaliou que o mercado de crédito mostrou retração moderada no início do ano, o que, segundo ele, é comum para o período. "Há sazonalidade característica no início do ano, que é mais caracterizada entre as empresas e está ligada ao ciclo produtivo", explicou, acrescentando, porém, que também foi observada uma queda no segmento de Pessoas Físicas. Segundo ele, modalidades de crédito associadas ao ciclo econômico tiveram retração ou crescimento modesto no estoque.

Ele salientou que também impactam esse mercado o crédito mais caro por causa da alta dos juros. Estes dois fatores, conforme ele, já vinham sendo conhecidos nos últimos meses. 

Os bancos públicos mantiveram seus estoques de crédito estáveis em janeiro, enquanto os privados registraram queda. As instituições oficiais têm um saldo de R$ 1,799 bilhão. Nos bancos privados nacionais, houve recuo de 1,1%, para R$ 937,335 bilhões ante previsão do BC de alta de 1% (revisada em dezembro a partir de 3%). Já no caso dos bancos estrangeiros, houve recuo de 2% no ano, para R$ 462,247 bilhões. 

No caso do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), os financiamentos do para empresas recuaram 0,1% de dezembro para janeiro, somando um total de R$ 632,810 bilhões. Em 12 meses, porém, a expansão está em 6,4%. Para pessoas físicas, o crédito do BNDES avançou 1,8% em janeiro, para R$ 46,850 bilhões. A alta em 12 meses está em 6%. 

Habitação. As operações de crédito direcionado para habitação no segmento pessoa física cresceram 0,4% em janeiro, totalizando R$ 501,690 bilhões. Em 12 meses, a alta foi de 14,1%. Segundo o BC, R$ 64,466 bilhões se referem a empréstimos a taxas de mercado e R$ 437,224 bilhões a taxas reguladas.

Veículos. O estoque de operações de crédito livre para compra de veículos por pessoa física recuou 0,9% de dezembro para janeiro. Com isso, o total de recursos para aquisição de automóveis por esse grupo de clientes ficou em R$ 159,388 bilhões no mês passado - em dezembro de 2015, o volume foi de R$ 160,858 bilhões. No acumulado de 12 meses até o mês passado, a queda nesse tipo de crédito ficou em 13,3%.

Setores. O estoque de crédito apresentou retração entre dezembro de 2015 e janeiro deste ano nos três setores de atividade: agropecuária, indústria e serviços. O crédito total encolheu 1,3%, para R$ 1,685 trilhões. A agropecuária caiu 1,1%, a indústria, 1,3%, e os serviços, 1,3%.

Mais conteúdo sobre:
Crédito Banco Central Bndes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.