Estoque segue alto, apesar da atividade fraca

Mesmo com o ritmo mais fraco da produção industrial, as empresas não conseguem reduzir seus estoques, segundo identificou a Sondagem Industrial de maio, da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

RENATA VERÍSSIMO / BRASÍLIA , O Estado de S.Paulo

23 de junho de 2012 | 03h06

Esse processo já se arrasta por 14 meses, o que, na avaliação da CNI, mostra que a desaceleração da produção ainda não foi suficiente para colocar os estoques no nível desejado. Segundo a entidade, os ajustes continuarão nos próximos meses.

A pesquisa aponta um crescimento no ritmo da atividade industrial em maio, após queda em abril, mas o setor continua operando com uma capacidade instalada abaixo do usual. A média de utilização do parque fabril ficou em 73% no mês passado, um pouco acima de abril, quando foi de 71%, mas abaixo dos 74% de maio de 2011. Segundo a CNI, a indústria opera há 18 meses com mais ociosidade do que o que tem ocorrido historicamente.

O crescimento na produção em maio foi determinado pelo desempenho da indústria extrativa. A indústria de transformação apresentou, na média, estabilidade da produção em relação a abril. Mas, dos 28 setores da indústria de transformação, 15 tiveram queda na atividade industrial.

Com o resultado fraco do setor, o emprego também foi afetado. O indicador que registra a evolução do número de empregados voltou a cair em maio. "Isso preocupa, porque, na medida em que o emprego industrial recua, há uma sinalização ruim para o resto da economia e a confiança baixa", diz o economista da entidade, Renato da Fonseca.

Futuro. No entanto, segundo a pesquisa, o setor industrial está mais otimista em relação às expectativas do crescimento da demanda e, principalmente, das exportações nos próximos seis meses. As perspectivas sobre o aumento do emprego e das compras de matérias-primas também continuam positivas.

Os dados da Sondagem Industrial são colocados numa escala de 0 a 100 pontos. Valores acima de 50 indicam aumento da produção e do emprego e mostram otimismo em relação às perspectivas sobre os próximos meses. No caso dos estoques, quanto mais perto de 50 pontos, mais estão ajustados ao desejado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.