carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Estoques na indústria caminham para a normalização

A Sondagem Conjuntural da Indústria de Transformação de março, divulgada nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre), mostra que o nível dos estoques da indústria continua a caminhar para a normalização. O porcentual das empresas consultadas que avaliam como excessivos os seus estoques caiu de 5,7% em fevereiro para 5,3% em março. Em dezembro, o porcentual de empresas que consideravam seus estoques excessivos estava em 10,2% - mesmo nível registrado em setembro, e o maior desde março de 2011. Em janeiro deste ano, o porcentual das empresas com altos estoques já havia diminuído para 6,3%.

WLADIMIR D'ANDRADE, Agencia Estado

30 de março de 2012 | 14h59

"Esses números indicam um processo de normalização dos estoques desde o fim de 2011", afirmou o economista do Ibre Silvio Sales. "Isso abre espaço para o avanço no nível de produção da indústria."

Para os próximos seis meses, a expectativa das empresas consultadas é de retomada da atividade econômica, ainda que em níveis moderados. De acordo com o economista do Ibre, a confiança do empresário está sendo influenciada pelas notícias de novas medidas de estímulo à indústria que têm sido anunciadas pelo governo.

Sales acredita que, para uma estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 3,5% neste ano se concretizar, será necessário que a indústria "aperte o pé no acelerador". No entanto, para que isso ocorra são necessárias medidas de estímulo mais ousadas, além de ações de proteção ao produto nacional contra os importados, opinou Sales.

"Para a indústria encerrar este ano no cenário mais otimista, com crescimento de 2,5%, teria de haver um esforço imenso, com crescimento acima das médias históricas", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
indústriaconfiançaestoques

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.