‘Estrangeiro busca principalmente ações de tecnologia ao investir nos EUA’

Segundo presidente de corretora, papéis de Google, Amazon, Facebook e Netflix estão entre os favoritos dos que moram fora dos EUA

Entrevista com

Roberto Lee, presidente da corretora Avenue

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

05 de agosto de 2019 | 05h00

Depois de fundar a corretora Clear – que foi vendida para a XP Investimentos, Roberto Lee decidiu mudar-se com a família para Miami, mas sem abandonar os investidores brasileiros. Há cerca de dois meses, ele abriu a Avenue, instalada em solo americano com o objetivo de ajudar latino-americanos interessados em ativos do país. 

No menu preferencial dos não residentes nos Estados Unidos estão ações de gigantes de tecnologia – como Google, Amazon, Facebook e Netflix –, além de fundos de empresas listadas na Bolsa de Nova York (Nyse) e no pregão Nasdaq, de forte componente tecnológico. “Investir nos EUA sempre foi manual e caro. Queremos automatizar esse processo.”

Leia, a seguir, os principais trechos da entrevista:

Qual é o público-alvo da Avenue?

A Avenue é uma corretora de valores que foi aberta nos EUA para atender a não residentes, como os brasileiros. Há muitos investidores ao redor do mundo querendo investir nos EUA, um mercado que é aberto a recursos internacionais. No entanto, esse processo sempre foi manual e caro. Por isso, só valia a pena ter uma conta nos EUA para quem tivesse US$ 500 mil ou mais para investir. Queremos automatizar esse processo, com o devido cuidado com a prevenção da lavagem de dinheiro.

Quem poderá investir pela empresa?

Vamos automatizar todos os sistemas, então vamos atuar com qualquer valor, sem mínimo. Há inclusive uma ferramenta integrada para o câmbio. A corretora está conectada aos sistemas da Nyse (Bolsa de Valores de Nova York) e do pregão eletrônico Nasdaq. E também oferece os ETFs (fundos de índices de ações). O setor mais procurado pelos não residentes é o de tecnologia, de empresas como Facebook, Amazon e Netflix. Esperamos para este mês ainda termos autorização para fazer uma curadoria de ativos.

Há cuidados a se tomar ao se investir em ativos nos EUA?

Sim. Em um investimento feito aqui, valem as regras americanas. Logo, se um dia a pessoa precisar abrir um processo, por alguma razão, terá de fazer isso aqui.

E a Avenue, ao priorizar o público estrangeiro, enfrenta algum tipo de barreira regulatória?

Não podemos, por exemplo, captar o cliente no exterior, fazer propaganda. Posso até ter um site em português, mas não posso ir atrás do cliente. De certa forma, tenho de esperar que ele venha até nós.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.