Estrangeiros já retiraram quase R$ 4 bi da Bolsa em 2008

Venda de ações provocou um tombo no Ibovespa. Em janeiro, até o fechamento desta terça, queda é de 12,19%

Agência Estado,

22 de janeiro de 2008 | 20h38

As incertezas com a economia americana e os impactos sobre os resultados das empresas levaram os investidores estrangeiros a retirar quase R$ 4 bilhões da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) no início deste ano. Até o dia 18, sexta-feira, a saída é de R$ 3,966 bilhões. Só na sexta, quando o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, anunciou o pacote de ajuda à economia do país, a saída de capital externo foi de R$ 435,289 milhões. A venda de ações provocou um tombo no Ibovespa - índice que mede o desempenho das ações mais negociadas na Bolsa. Em janeiro, até o fechamento desta terça-feira, a queda é de 12,19%. Veja também: Fed anuncia corte emergencial em juro dos EUA, para 3,5%Juro nos Estados Unidos deve cair mais no final do mêsCom Petrobras e juro menor nos EUA, Bolsa sobe 4,45% Turbulência nos mercados: entenda o nervosismo de hoje  Celso Ming comenta a crise no mercado financeiro  Mercados têm reação positiva ao corte do juro nos EUA   Os efeitos da crise do setor imobiliário dos EUA   Investidores e analistas concordam que a economia nos Estados Unidos já sobre com os efeitos da crise do mercado imobiliário de risco nos Estados Unidos (subprime). O fato é que o poder de consumo dos americanos já dá sinais de enfraquecimento e os bancos vêm anunciando perdas com as operações de risco deste segmento. O desaquecimento da maior economia do mundo chegou, mas ainda não há certeza de quanto é essa desaceleração. Bush prometeu US$ 150 bilhões de ajuda aos americanos na sexta. Os investidores acharam pouco e consideraram uma decisão 'atrasada'. Na segunda-feira, a frustração provocou a maior queda das bolsas européias e asiáticas desde o 11 de setembro. Bush voltou a falar nesta terça e prometeu um reforço no pacote. Além disso, em uma decisão inesperada, o banco central dos Estados Unidos (Fed) promoveu uma redução na taxa de juro - de 4,25% ao ano para 3,5% ao ano. No Brasil, a decisão do Fed ajudou a impulsionar a alta das bolsas. Na Europa, exceto na bolsa de Frankfurt, o dia foi de alta. Mas, nos Estados Unidos, as investidores não se animaram. As bolsas fecharam em queda pelo quinto dia consecutivo. O índice Dow Jones fechou no nível mais baixo em 52 semanas e acumula uma queda de 15% desde a máxima alcançada em 9 de outubro de 2007. Nesta terça, a queda foi de 1,06%. Para Thomas Roth, chefe de operações com bônus do governo da Dresdner Kleinwort Securities, a decisão do Fed pode ter contribuído para deixar os mercados ainda mais nervosos. "Até agora, a decisão do Fed fez pouco para aliviar as preocupações. Talvez ela tenha assustado o mercado, levando-o a temer que a situação piore ainda mais", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.