Estrangeiros voltam a liderar fusões e aquisições no Brasil no 1º trimestre

Valorização do dólar frente ao real aumentou o apetite dos investidores estrangeiros por empresas brasileiras e fez com que eles participassem de 51% dos negócios fechados no primeiro trimestre do ano

Márcia de Chiara, O Estado de S.Paulo

21 Abril 2015 | 02h03

A participação de investidores estrangeiros nas fusões e aquisições concluídas nos primeiros três meses do ano voltou a superar a fatia do capital nacional, algo que não ocorria desde 2005, num 1º trimestre. Dos 189 negócios fechados entre janeiro e março, 167 tiveram a origem do capital identificado. Destes, os investidores estrangeiros participaram de 51% dos negócios e os nacionais ficaram com 49%, segundo Relatório de Fusões e Aquisições da PricewaterhouseCoopers (PWC).

A valorização do dólar em relação ao real, que neste ano acumulou alta de quase 14% até ontem, é o principal fator que explica esse movimento de avanço dos estrangeiros. "Neste momento, os preços em dólar ficaram mais razoáveis para os estrangeiros. O Brasil é um país caro, mas agora é menos caro em dólar", afirma o sócio da PwC Brasil e em líder em fusões e aquisições, Rogério Gollo.

Ele explica que o fato de o câmbio ter se estabilizado num novo patamar (o dólar fechou ontem cotado a R$ 3,024) contribuiu para que os estrangeiros acelerassem a conclusão de negócios no País. Um dos temores dos investidores é finalizar a compra de uma empresa e logo em seguida constatar que poderia ter desembolsando menos porque o real se depreciou ainda mais.

Além disso, Gollo observa que a liquidez de recursos é muito grande hoje no mercado financeiro internacional. "Tem muito dinheiro circulando no mundo à procura de oportunidades de investimento e o Brasil, apesar de não estar entre as principais oportunidades, é uma delas."

O sócio da PwC acredita que a tendência de avanço dos investidores estrangeiros nas fusões e aquisições deve se acelerar nos próximos meses não só pelos efeitos do câmbio, mas também pela maior confiança no País, depois que os escândalos de corrupção envolvendo empresas de peso como a Petrobrás e empreiteiras vieram à tona. "Os escândalos representam notícias velhas. Os estrangeiros tendem a ficar mais confiantes à medida que o ajuste fiscal for implementado e que uma agenda positiva de investimentos for colocada em prática." Segundo o executivo, a principal preocupação hoje dos investidores estrangeiros diz respeito às negociações entre o poder Executivo e o Congresso para fechamento de acordos com o objetivo de aprovar o ajuste fiscal.

Março. Entre nacionais e estrangeiros, só no mês de março foram fechados 75 negócios de fusões e aquisições, um número 19% maior do que no mesmo mês do ano passado. Em março deste ano foi fechado o maior número de fusões e aquisições desde 2010. Naquele ano foram 83 negócios.

Gollo explica que vários eventos de 2014, como Copa do Mundo, eleições e escândalos de corrupção represaram o fechamento de muitos negócios. O resultado foi que eles acabaram sendo concluídos no 1º trimestre, especialmente no mês passado. Para o ano inteiro de 2015, o sócio da PwC acredita que haverá crescimento de 10% no número de transações em relação ao ano passado, quando foram concluídas 879 transações de fusões e aquisições.

Mesmo superada boa parte da crise de confiança que adiou o fechamento de negócios, os investidores continuam cautelosos. Tanto é que a maioria das transações concluídas no 1º primeiro trimestre (47,1%) foi de participações minoritárias. "Os investidores estão vindo primeiro para conhecer o mercado brasileiro, adquirindo parcelas menores das empresas. Eles são novos entrantes que querem experimentar o mercado", diz Gollo. O estudo mostra também que a compra do controle acionário, modalidade de negócio que sinaliza uma aposta mais firme da parte do investidor, respondeu por 41,3% dos negócios fechados entre janeiro e março.

Saúde. Em relação aos setores, as empresas de Tecnologia da Informação (TI) lideraram o ranking em número de negócios fechados no mês passado. Foram 40 transações, ante 28 em março de 2014. "TI tem liderado o ranking de segmentos nos últimos quatro anos e deve se manter na primeira posição", prevê Gollo.

Ele baseia o seu prognóstico no fato de que há um grande número de empresas prestadoras de serviços de TI no País com faturamento anual abaixo de US$ 100 milhões. "Há poucos grandes players e muitos pequenos, o que abre espaço para consolidação nesse setor." Gollo lembra que pequenas empresas localizadas em polos de tecnologia, como Campinas (SP) e São Carlos (SP), ficaram mais atraentes para os investidores.

A previsão da PwC para os próximos meses é de que o setor de saúde ganhe destaque nas transações de fusão e aquisição, depois que a legislação permitiu a entrada de empresas de capital estrangeiro no segmento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.