Estratégia da BR é se tornar empresa integrada de energia

A BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras, vai acompanhar a holding na estratégia de se tornar uma empresa integrada em energia. Isso significa investir pesadamente - inclusive com aquisições - não apenas na distribuição de gasolina, diesel e querosene de aviação, mas também em outras áreas.Para a presidente da empresa, Maria das Graças Foster, esta é a explicação para o aumento de 131%, no planejamento estratégico da Petrobras, para os investimentos em distribuição, que passaram de US$ 900 milhões para US$ 2,2 bilhões no período de 2007 a 2011.A executiva não descartou a compra de ativos no setor, mas negou negociações entre a empresa e a Ipiranga, como indicam recorrentes rumores de mercado. "Não sei se a Ipiranga está à venda. A BR não tem tratativas com a Ipiranga. Se está para ser vendida, eu não sei. O que eu digo é que a BR não tratou desse assunto", repetiu Maria das Graças ao Estado.Ela usou a mesma forma lacônica utilizada esta semana pelo presidente do grupo, José Sérgio Gabrielli, para referir-se a eventuais aquisições de concorrentes. "Não nego o que o Gabrielli disse. Repito exatamente o que ele falou: `o mercado pode interpretar do jeito que quiser´".Na terça-feira, Gabrielli usou uma "saída pela tangente" para fugir de uma pergunta direta dos analistas sobre compra de outra empresa de distribuição de combustíveis. "Existem mais de 170 distribuidoras hoje no Brasil e há algumas disponíveis". Diante da insistência do analista, que queria saber se a resposta significava uma afirmativa, Gabrielli apenas respondeu que ele poderia entender como quisesse. Atualmente, a BR mantém a liderança na distribuição, com uma fatia de 33,8% no mercado total (24% somente no setor automotivo).Maria das Graças avalia que o grupo Petrobras está num rumo diferente do de cinco anos atrás. "Agora, a empresa é auto-suficiente, com uma integração completa em todo o segmento de petróleo, gás, combustíveis renováveis e petroquímica. É completamente natural e previsível que o seu braço de distribuição, revenda e comercialização de combustíveis acompanhe essa linha", diz ela, lembrando investimentos que a empresa tem anunciado em álcool e biodiesel, por exemplo.Para ela a BR Distribuidora também caminha para ser uma empresa de energia completa. E cita como exemplos a geração de energia elétrica, por meio de usinas térmicas movidas a óleo, e pequenas centrais hidrelétricas. "Além disso, entramos determinadamente na distribuição e revenda de biodiesel. Tudo isso exige que se faça investimentos significativos na expansão da infra-estrutura própria, nas bases de operação", afirmou, informando que a empresa também terá investimentos pesados em SMS (segurança, meio ambiente e saúde).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.