Estratégia é deixar a reforma ir morrendo à míngua

Apesar do discurso de ressurreição da reforma em 2018, o clima é de desânimo entre muitos da equipe econômica

Adriana Fernandes, Igor Gadelha e Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

15 de dezembro de 2017 | 05h00

Terminou de forma melancólica o debate da proposta de reforma da Previdência. Não houve nem mesmo a leitura da versão mais enxuta do texto da PEC pelo relator Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), como prometido pelas lideranças governistas.

Menos de 24 horas depois de o Palácio do Planalto, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e lideranças governistas negarem em coro e com irritação a fala do líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RN), de que a votação seria adiada para 2018, a confirmação veio pelas mesmas pessoas que antes repudiaram o senador. Jucá, porém, não falou por conta própria.

++ Entenda a reforma da Previdência

Com pouco mais do que 20 deputados, a sessão da Câmara para a apresentação do novo parecer foi dominada pelos partidos da oposição. E serviu de palco para críticas generalizadas à reforma, chamada pelos oposicionistas de “lixo”, “anêmica” e “espetáculo para o mercado financeiro”. O deputado José Geraldo (PT-PA) rasgou uma cópia.

Também não apareceu no plenário o futuro ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (PMDB-MS). Na véspera, ele havia dito em tom de desafio que, mesmo que fosse o único deputado, estaria presente no plenário para a leitura do relator. Não foi.

A estratégia, porém, é ir adiando a reforma ao longo de 2018 até o ponto de ser impossível aprová-la, mas sem jogar a toalha logo de início. Temer não quer perder a marca reformista, que tenta emplacar antes mesmo do último ano do seu governo começar. Para isso, tem a bengala da reforma tributária. Mas apesar do discurso de ressurreição da reforma em 2018, o clima é de desânimo entre muitos da equipe econômica. O que se espera é um plano alternativo para compensar a frustração com reforma. Do contrário, um nova crise econômica em 2019 já está contratada, como admitiu integrante da área econômica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.