Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Estrelas do esporte no mundo dos negócios

Saem o gramado e seus agasalhos e entram as salas de reuniões com ternos e gravatas

GLAUBER GONÇALVES/RIO, O Estado de S.Paulo

26 de março de 2012 | 03h04

Gramados, pistas e ringues dão lugar a escritórios e salas de reunião. Embalados pelo bom momento da economia e pela onda de popularidade em que o Brasil surfa, personalidades do esporte têm se lançado em negócios internacionais. Com a imagem como principal ativo, figuras conhecidas do futebol, do automobilismo e das artes marciais unem-se a sócios para atuar em áreas inusitadas, longe da tríade restaurante-casa noturna-academia de ginástica.

Para quem estranha ver o ex-técnico Carlos Alberto Parreira por trás de uma consultoria de comércio exterior, ele logo justifica sua ligação com o negócio. "Minha rede de contatos e meu conhecimento no exterior vão ajudar", diz o tetracampeão mundial de futebol, que já treinou equipes em países como Kuwait, Arábia Saudita, Turquia, Estados Unidos e África do Sul.

A nova empresa oferecerá um serviço de importação e exportação "porta a porta". Através de parceria com 80 agentes em todo o mundo, a Next Global vai buscar no exterior produtos que atendam à demanda dos clientes brasileiros e cuidará de todos os trâmites burocráticos e de logística da importação. Da mesma forma, vai auxiliar empresas brasileiras que queiram exportar.

Parreira não menciona a conjuntura econômica mundial, que envolve uma forte expansão monetária na Europa e nos Estados Unidos e a consequente valorização do real, mas conhece bem o impulso que o intrincado cenário dá a seu negócio.

"Hoje, importa-se de tudo: palitos, alfinetes, algodão, barcos e helicópteros", diz, ilustrando o fato de que, com a valorização da moeda nacional, ficou mais barato comprar no exterior.

Os primeiros contratos já foram fechados. Um deles envolve a importação de máquinas para o setor de construção, encomenda de um cliente do Rio. A companhia também pretende atender pessoas físicas que queiram comprar bens de alto valor lá fora, como carros de luxo, diz a sócia Michelle Fernandes.

Ela resume a principal vantagem de ter Parreira no negócio: ele abre portas. "A carreira dele foi feita no exterior. Ele é uma pessoa querida em qualquer lugar", diz. Michelle não revela o valor do investimento nem previsão de faturamento, mas tem como meta conquistar 500 clientes em um ano e meio. Para Parreira, a dedicação a um novo ramo veio depois da aposentadoria.

Aposta na cachaça. Outros, como Nelsinho Piquet, preferem acumular tarefas. No ano passado, o piloto, que recentemente conquistou sua primeira vitória na norte-americana Nascar, lançou no mercado brasileiro a B!, uma cachaça de alambique com mel e limão. Mirando o mercado internacional, o produto premium deve desembarcar nos Estados Unidos este ano.

"Percebi que poderia usar minha imagem nas corridas, principalmente nos EUA, para divulgar o produto", disse, por telefone, da Carolina do Norte, onde mora. "A Nascar é um dos maiores esportes dos EUA e tem cobertura enorme pela televisão. Para mim, acaba saindo de graça divulgar a B!", diz.

Entre uma corrida e outra, Nelsinho participa de reuniões nos Estados Unidos. Em algumas semanas, deve mostrar o produto em uma exposição em Las Vegas. A cena era inimaginável há alguns anos. O piloto não gosta de bebidas fortes, mas se rendeu à cachaça depois que conheceu uma versão adocicada da bebida em um final de ano que passou em Trancoso (BA).

O sabor agradou tanto que ele resolveu lançar um produto semelhante com amigos que o acompanhavam na virada. Ele não conta quanto o grupo investiu, mas dá pistas. "Óbvio que não tínhamos nenhum investimento financeiro por trás, como R$ 10 milhões, para dar um pulo alto no começo. Não investimos muito dinheiro", diz.

Campeões de MMA (artes marciais mistas, em português), os irmãos Rodrigo Minotauro e Rogério Minotouro colocaram no mercado uma linha de suplementos alimentares, chamada X-Fight, com investimento de R$ 2 milhões. Além do Brasil, o produto é vendido no Japão, em países do Oriente Médio e nos Estados Unidos.

A dupla também possui uma rede de academias. No mês que vem, inauguram uma unidade em Orlando, que se juntará às que já possuem em Miami e San Diego, também nos Estados Unidos. A rede também está presente no Rio, com uma filial, e em Zurique, na Suíça, com três.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.