Estudante descobre como EUA podem economizar milhões trocando fontes

Suvir Mirchandani, um estudante de 14 anos, que mora em Pittsburgh, descobriu um jeito de fazer os Estados Unidos economizarem US$ 370 milhões todos os anos: trocando a fonte usada em seus documentos impressos por uma mais fina.

O Estado de S.Paulo

31 de março de 2014 | 02h08

Tudo começou quando Suvir fez uma pesquisa para sua escola, testando quatro fontes muito utilizadas - Century Gothic, Times New Roman, Comic Sans e Garamond - e sua eficiência em cobrir o papel, com a ajuda de um programa chamado APFill Ink Coverage.

O garoto descobriu que, se os professores e funcionários imprimissem tudo o que fizessem com a fonte Garamond, a escola poderia gastar US$ 21 mil a menos por ano. Afinal, cada mililitro de tinta gasto pela escola custa cerca de US$ 25 - mais do que um perfume francês, como o Chanel nº5.

Incentivado por seus professores, o garoto descobriu ainda que, se o governo americano trocasse a fonte de todos os seus documentos para Garamond, os gastos com tinta cairiam de US$ 460 milhões para US$ 136 milhões. Ainda não se sabe se o governo vai adotar a mudança, mas Gary Somerset, chefe do departamento de impressões dos EUA, disse à CNN que o estudo é "incrível". /BRUNO CAPELAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.