Estudo aponta desempenho crítico do Brasil para IED

Apesar ser um dos principais países receptores de Investimento Estrangeiro Direto (IED), o Brasil apresenta problemas estruturais em vários quesitos essenciais para atrair o capital internacional. É o que aponta uma pesquisa realizada pela consultoria Maksen, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

AE, Agencia Estado

15 de outubro de 2013 | 14h30

De acordo com o estudo, o Brasil está na 11ª posição entre os países que mais recebem investimentos estrangeiros no mundo. Contudo, ao avaliar 13 itens fundamentais para o recebimento de IED, a consultoria apontou que o desempenho nacional é crítico. No quesito eficiência do mercado financeiro, o Brasil ocupa a 46ª posição. Quando é avaliada a eficiência do mercado de consumo, o Brasil fica na 104ª colocação, bem distante de Cingapura (1ª posição), Hong Kong (2ª), Suíça (7ª) e Alemanha (15ª colocação).

O estudo destaca que a infraestrutura no País está na 70ª posição, enquanto no quesito instituições o País ocupa o 79º lugar. A educação do Brasil ocupou o 88º posto, bem distante dos principais receptores de IED, como Alemanha (2ª posição), Cingapura (3ª) e Suíça (5ª ).

"O Brasil tem recebido todo esse investimento pela dimensão do mercado interno porque os outros mercados estavam em crise e por todo o marketing envolvido recentemente, tendo em vista os eventos esportivos no País, como é o caso da Copa", diz Sérgio do Monte Lee, o principal dirigente da consultoria Maksen no Brasil. "O fato é que não há infraestrutura para sustentar essa posição se nada for feito para construir uma marca forte para o País."

Tudo o que sabemos sobre:
IEDFGV

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.