Estudo da ONU aponta mais investimento para setor de serviços

O perfil dos fluxos internacionais de investimentos sofreu uma importante mudança nos últimos dez anos. Um relatório lançado pela Conferência da ONU para o Comércio e Desenvolvimento (Unctad) mostra que 60% dos investimentos ocorrem hoje no setor de serviços. Há dez anos, os fluxos internacionais de capitais no setor representavam menos de 50% do total dos investimentos.O aumento dos fluxos no setor de serviços está ocorrendo enquanto a participação dos investimentos internacionais no setor manufatureiro vem caindo. Os fluxos nessa área, que representavam 40% de todo o investimento estrangeiro no mundo em 1990, hoje soma apenas 35% do total das movimentações de capitais. Já no setor primário, o volume de investimentos baixou de 10% em 1990 para 6% neste ano. Em termos de volume, os investimentos no setor de serviços explodiram. Passaram de US$ 704,8 bilhões em 1990 para US$ 2,9 trilhões em 2001. O aumento mais impressionando ocorreu nos países em desenvolvimento. O fluxo passou de US$ 106 bilhões para US$ 815,8 bilhões. Enquanto isso, os investimentos no setor agrícola apenas dobraram nesse período. ExplicaçõesPara a ONU, o aumento do fluxo em serviços tem duas possíveis explicações. A primeira se refere à consolidação do setor nos países ricos na última década. Hoje, nas economias desenvolvidas, dois terços do PIB são gerados no setor de serviços. A outra explicação seria a privatização de vários serviços públicos nas economias emergentes, como no Brasil. Apesar do aumento generalizado dos investimentos no setor de serviços, a ONU alerta que os países em desenvolvimento ainda não conseguem acompanhar o ritmo de crescimento das economias ricas. Investimentos feitos por empresas de países em desenvolvimento representam menos de 10% de todo o fluxo mundial de capital no setor e grande parte das operações efetuadas sai de um país rico e tem outro país rico como destino.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.