Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Estudo diz que biocombustíveis elevarão preços de alimentos

Relatório da OCDE e da FAO prevê alta de preços nos próximos dez anos

Agencia Estado

04 de julho de 2007 | 17h18

Um estudo da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) prevê que os preços dos produtos agrícolas vão continuar subindo nos próximos dez anos, beneficiando as exportações dos grandes produtores dessas commodities, como o Brasil."Os atuais preços altos no mercado mundial para muitas commodities agrícolas são causados, em boa parte, por fatores de natureza temporária, como carências na oferta provocadas por secas, e estoques baixos", afirma o estudo Perspectiva Agrícola 2007 - 2016 OCDE-FAO, apresentado nesta manhã em Paris."Mas mudanças estruturais como o aumento na demanda de matéria prima para a produção de biocombustível, e a redução de superávits causados por reformas implementadas no passado em políticas no setor agrícola, podem manter os preços acima dos níveis de equilíbrio históricos durante os próximos dez anos."O estudo prevê que os preços de todas as commodities agrícolas vão subir nos próximos dez anos. "A crescente presença dos mercados da Argentina e Brasil é impressionante", disse. "Enquanto o crescimento no Brasil é mais concentrado no açúcar, óleos vegetais e carnes, a performance exportadora da Argentina também cobre cereais e muitos produtos laticínios", disse.A China deve continuar aumentando sua fatia nos volumes globais de importações de várias commodities agrícolas.O levantamento observa que os preços mais elevados das commodities agrícolas representam uma preocupação para os países importadores como também para as camadas pobres das populações urbanas. Isso, segundo o estudo, deve alimentar o debate corrente sobre a validade do uso dessas commodities para a produção de biocombustíveis, ao invés de direcioná-las esse produtos para a alimentação."Além disso, embora preços mais elevados de matéria prima para biocombustíveis possa elevar a renda dos produtores dessas commodities, eles implicam em custos mais elevados e renda menor para os produtores que usam as mesmas commodities na forma de ração de animais."Segundo o levantamento, a expectativa de que os preços dos produtos agrícolas vão se manter num patamar elevado pode facilitar novas reformas de políticas de subsídios ao setor. "Isso reduziria a necessidade de proteção nas fronteiras e ofereceria flexibilidade para reduções de tarifas", disse.A OCDE prevê que o crescente uso de cereais, açúcar e óleos vegetais para satisfazer a necessidade da indústria de biocombustíveis, que se expande rapidamente, é um dos principais fatores que vão afetar o cenário agrícola nos próximos anos. Substanciais quantidades de milho nos Estados Unidos, trigo na União Européia e açúcar no Brasil serão usados na produção de etanol e biodiesel. "Isso está pressionando para cima os preços das safras e, indiretamente através das rações, os preços para os produtos animais também."

Tudo o que sabemos sobre:
OCDEFAOalimentospreços

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.