Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Estudo mostra indícios de colapso econômico previsto em 1972

Pesquisador compara dados de profecia publicada há mais de 30 anos com informações atuais sobre a economia

Da Redação,

17 de novembro de 2008 | 16h59

Um livro escrito em 1972, chamado de "Limites para Crescer", projetava um grande colapso da economia mundial no século 21, baseado em previsões para os crescimentos populacional, da poluição, da produção industrial, do consumo de recursos e da produção de alimentos.  Veja também:De olho nos sintomas da crise econômica  Lições de 29Como o mundo reage à crise  Dicionário da crise  Segundo a publicação, escrita por um grupo chamado de O Clube de Roma, o crescimento exponencial iria eventualmente levar a um colapso econômico e ambiental. Agora, diz uma reportagem publicada pela revista New Scientist, um pesquisador da Organização de Pesquisa Industrial e Científica Commonwealth, na Austrália, está comparando as projeções do livro com dados dos últimos anos. Mudanças na produção industrial, produção de alimentos e poluição estão todas em linha com as previsões do livro, segundo Graham Turner. De acordo com o livro, o caminho que nós tomamos causará a redução da disponibilidade de recursos e um aumento no custo de extração, o que levará a uma desaceleração da indústria, que vai, eventualmente, resultar em um colapso econômico em algum momento após o ano de 2020.  "Nos primeiros 30 anos do modelo, o mundo vem trilhando um caminho insustentável", disse Turner, citado pela New Scientist. De acordo com Herman Daly, da Universidade de Maryland, os resultados do pesquisador mostram que "nós precisamos sair do caminho de crescimento atual". Apesar disso, Turner afirma que seu relatório mostra que uma economia sustentável ainda é possível. "Nós não teremos que voltar ao tempo das cavernas", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraCrise nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.