Etanol entra em fase decisiva nos EUA

Produtores brasileiros calculam que Congresso americano tem só sete semanas para definir sobre a tarifa de importação e subsídios do etanol

Renée Pereira, O Estado de S.Paulo

26 de setembro de 2010 | 00h00

O futuro do etanol brasileiro no mercado americano entrou numa fase decisiva. Pelas contas da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), que representa os produtores nacionais, o Congresso americano tem cerca de sete semanas para definir se renova ou não a tarifa de importação do combustível e o subsídio dado ao etanol produzido com milho.

Ambos terminam em 31 dezembro e podem determinar a expansão dos negócios no mercado brasileiro. Em caso positivo, a decisão representaria a exportação de 5 a 15 bilhões de litros de etanol para os Estados Unidos até 2020.

Com a proximidade das eleições legislativas nos Estados Unidos, marcadas para 2 de novembro, o Congresso deverá entrar em recesso no começo do mês que vem. Se até lá o assunto não for posto na pauta, restarão apenas algumas semanas entre novembro e dezembro para os senadores chegarem a uma conclusão - o que não ocorreu em meses de discussão.

Ao contrário do que ocorria no passado, desta vez há movimentos fortes tanto para a renovação como para a eliminação das tarifas de importação (de US$ 0,54 por galão) e subsídios (de US$ 0,45 a cada galão de etanol de milho adicionado à gasolina). Um dos projetos em circulação prevê a extensão da subvenção por cinco anos. Outras cinco propostas defendem a eliminação dos instrumentos. Nos últimos meses, esse último grupo ganhou um aliado de peso: o presidente Barack Obama, que defende o uso do combustível limpo.

Enquanto o Congresso não chega a uma conclusão, a Unica reforça seu lobby no Congresso e na sociedade americana. Depois de promoções em postos de combustíveis e campanhas publicitárias em TV, a estratégia agora é mostrar ao cidadão americano quanto custa aos cofres do país a decisão de manter a política adotada para o etanol. Só os subsídios consomem dos Estados Unidos US$ 5,5 bilhões por ano. "Hoje o humor do americano é contra qualquer gasto do governo", afirma Joel Velasco, representante da Unica nos Estados Unidos e que faz lobby a favor do etanol brasileiro entre os senadores.

Ele comenta que o assunto tem ganhado as páginas e editoriais dos principais jornais do país. Em cima desses editoriais, a Unica faz propaganda nos veículos que os senadores leem. Outra estratégia foi montar uma plataforma onde as pessoas aderem a um abaixo-assinado e mandam para os senadores. "Cerca de 15 mil pessoas já fizeram isso nos últimos nove dias", afirma Velasco, que visita o Congresso americano, pelo menos, duas vezes por semana. Além de encontros e contatos por telefone, ele tem reforçado o uso do Facebook e Twitter.

Antes da tarefa de tentar extinguir os subsídios e tarifas, Velasco e os representantes da Unica tiveram uma vitória importante nos EUA. Eles conseguiram enquadrar o etanol como biocombustível avançado na redução de emissões de gases.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.