Etanol vai prejudicar indústria brasileira, diz economista

O economista Luis Carlos Mendonça de Barros destoa do coro dos que acham que o etanol será a salvação do Brasil nos próximos anos, com a utilização cada vez maior de combustíveis renováveis de origem agrícola nos países desenvolvidos. Mendonça de Barros, ex-ministro das Comunicações e presidente do BNDES no governo Fernando Henrique Cardoso, diz que o crescimento do uso do etanol, e a consolidação do Brasil como um grande exportador mundial do combustível, vão levar o país a um processo de desindustrialização, com a enxurrada de dólares mantendo o real sobrevalorizado e a indústria brasileira menos competitiva.?O certo era usar esses ganhos para incentivar a indústria e reduzir os impostos, mas a visão eufórica é usar este dinheiro no Bolsa Família?, disse Mendonça de Barros à BBC Brasil.?Não estou dizendo que tem que acabar com isso. É obvio que isso é uma vantagem a aproveitar. O problema é que não se pode ficar eufórico e esquecer que isso também exige uma série de outras atitudes?, afirmou.Valorização do câmbio O Brasil é hoje o segundo maior produtor mundial do etanol, depois de ter sido ultrapassado pelos Estados Unidos no ano passado, que produz o combustível a partir do milho. O país, diz Mendonça de Barros, ainda tem 100 milhões de hectares de terra que podem ser ocupadas por plantações de cana ou outros insumos de etanol.?O Brasil é o país de agricultura mais avançada que tem a maior área de terra ainda para ser ocupada. Por isso é que isso preocupa: porque isso vai se transformar em exportação, mais dólares, valorização do câmbio e aumentar ainda mais a pressão que a indústria hoje está sofrendo?, afirmou.Os problemas da indústria, disse ele, não surgiram agora e estão relacionados aos custos de infra-estrutura e à elevada carga tributária e ao aumento da competição internacional, principalmente da China, mas podem se agravar se as exportações mantiverem a moeda brasileira valorizada, facitando importações industriais.?O agronegócio é competitivo o suficiente para compensar os problemas de infra-estrutura, já na indústria a pressão é maior?, afirmou.?País de moeda forte tem inflação baixa, tem uma série de vantagens. Só que perde um pedaço do seu sistema produtivo?, disse o economista."Doença brasileira" Mendonça de Barros cunhou o termo ?doença brasileira? para expressar o que acredita que pode acontecer no país se o etanol continuar crescendo no ritmo atual, numa alusão à ?doença holandesa?, termo da literatura econômica referente ao que aconteceu com a Holanda nos anos 70, quando as exportações de gás passaram a representar uma receita importante para o país - as exportações causaram uma enxurrada de dólares e valorizaram a moeda local, o que estimulou importações e acabou prejudicando a competitividade da indústria.Ele disse que o impacto das exportações agrícolas na manutenção do real forte já começou nos últimos anos, mas pode se prolongar nos próximos, com efeitos para o emprego urbano.?Vai causar uma mudança na geografia do emprego. O emprego industrial, urbano, vai ser muito atingido por isso. E a não ser que as pessoas resolvam voltar pra roça, carpir cana, vai ter um problema sério?, afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.